Eles conseguiram de novo. Os imbecis… Os valentões… Os intolerantes. Eles, todos eles, novamente viraram notícia e levaram ao mundo inteiro mais uma péssima imagem do futebol da América do Sul. Torcedores? Jogadores? Dirigentes? Autoridades? Todos eles. Em menos de uma semana três episódios no continente serviram para resgatar o que muitos teimavam em esquecer: a várzea, a desorganização e a impunidade do esporte por esses lados.

O primeiro deles foi no dia 23. Cerro Porteño e Colón faziam um jogo disputado e digno de um confronto de oitavas de final da Copa Sul-Americana. Aos 24 minutos do segundo tempo, com o jogo empatado por 1 a 1 e a partida aberta o atleta do Cerro Porteño chutou para marcar, o zagueiro colocou a mão na bola, mas o árbitro deu o gol. Foi o estopim para eles, os imbecis organizados, fazerem o que melhor sabem.

Cientes de que o resultado deixava a equipe praticamente sem chances de classificação, os “torcedores” do Cólon intensificaram o arremesso de pedras contra a hinchada do Cerro. A polícia decidiu agir e, de forma atabalhoada, passou a disparar balas de borracha contra os argentinos, que revidaram com ainda mais intensidade. Das pedras, passaram para a destruição indistinta do estádio General Pablo Rojas. Proteções metálicas, cadeiras e tudo o que havia pela frente passou a ser destruído e atirado no campo e na torcida mandante.

O jogo foi paralisado e assim ficou durante 17 minutos… Tempo em que a selvageria ganhou todos os holofotes, mais uma vez. Não fosse o bastante, fora do estádio a confusão continuou. No fim, 38 torcedores do Colón foram presos e o Cerro mandou a “conta” dos estragos para o clube argentino. Sanções da Conmebol? Punições ao clube, que financia as hinchadas? Aos organizadores do jogo? Nada, para variar um pouco…

Nenhum deles, os imbecis, sabe sequer o que é impunidade. Para eles é natural, não é um “benefício” ou quadro de excessão… É a regra. Eles torcem, logo estão certos… Só assim para explicar o absurdo ocorrido na Venezuela no último final de semana. Na programação o Deportivo Táchira entraria em seu estádio, o Pueblo Nuevo de San Cristóbal, para enfrentar o Atlético Venezuela e buscar uma retomada no Apertura. Um jogo comum, como qualquer outro. A única diferença é que o clube quis ser mais do que uma agremiação esportiva e conscientizar o país sobre os perigos do câncer de mama. Para tanto, o Táchira decidiu atuar com uma camisa rosa para lembrar do problema que atinge diversas mulheres em todo o planeta e que muitas vezes é ignorado por falta de informação. Uma causa nobre não? Para eles, os imbecis, foi um desrespeito ao clube…

Antes mesmo de a partida começar diversos “torcedores” do Táchira entraram em campo para protestar contra a camiseta e exigiram que os jogadores usassem o uniforme padrão, com as listras pretas e amarelas. Como não houve “acordo”, os invasores não deixaram a partida ser iniciada e, após 40 minutos, o jogo foi cancelado. A federação ainda decidirá o que será feito do confronto, mas por ora, o máximo que deve acontecer é a perda dos pontos ou a realização do duelo em nova data. Se serve de consolo, ao menos a direção tachirense deu uma coletiva explicando que passará a usar o direito de admissão no estádio, ou seja, contará com uma lista dos torcedores proibidos de ingressar na arena.

Mas e quando eles, os imbecis, estão dentro das quatro linhas? Não por terem invadido o campo, mas por serem jogadores? Pois é… No Uruguai, Juventud de las Piedras e Montevideo Wanderers faziam um belo jogo pelo Torneo Apertura, com oportunidades para os dois lados, raça e um placar de 3 a 3. No apito final, porém, eles, os imbecis, tomaram conta. Em meio aos cumprimentos do término do cotejo houve troca de insultos e o início de agressão entre dois jogadores. O que era para ser rapidamente contido pelos demais atletas, no entanto, se tornou batalha campal, com todos os profissionais da bola que estavam no gramado partindo para o confronto físico. Um torcedor ficou ferido na cabeça e 16 jogadores foram expulsos pelo árbitro. Consequências? Por ora apenas uma: o Juventud demitiu o jogador Cristian Latorre. De resto…

De resto ficam os ônus aos clubes sul-americanos, mesmo que imperceptíveis para muitos. Além do desrespeito e da violência gratuita aos verdadeiros torcedores e apoiadores dos clubes resta uma vez mais a péssima imagem para os outros e a impunidade para todos. Nenhum dos envolvidos precisará se mexer para resolver questões como essas… Nem outras como folhas de pagamento em dia, orçamentos adequados para manutenção de bons times e mais. No fim, por mais que se esforcem, por ora, restam eles nas manchetes. Eles, os imbecis…

Copa Sul-Americana

Nesta semana foram realizados os jogos de ida das quartas de final. Confira:

Grêmio 1×0 Millonarios: O Grêmio fez a lição de casa, mas deu algumas bobeiras no segundo tempo e poderia ter tomado um gol em seus domínios. Apesar da vantagem o Millonarios certamente vai dificultar as coisas no jogo da Colômbia

Universidad de Chile 0x2 São Paulo: Em outros tempos seria possível cravar que uma irreconhecível La U enfrentou o tricolor. Hoje não dá. Este é o atual time chileno: frouxo, sem intensidade e sem marcação. No segundo tempo os azules até foram melhores, mas não o suficiente.

Cerro Porteño 1×0 Tigre: O Cerro fez logo no início do jogo a sua parte. No restante do jogo o Ciclón até tentou um algo mais, mas foi o Tigre quem ameaçou o gol paraguaio. No final ambos os times se contentaram com o resultado e deixaram a decisão para o território argentino.

Independiente 2×2 Universidad Católica: Apesar do resultado favorável aos Cruzados, este é o confronto mais aberto de todos. Nenhuma das duas equipes apresenta um futebol confiável, de forma que é possível esperar qualquer coisa no jogo de volta em território chileno.

Chilenas

– Faltando duas rodadas para o fim da fase de pontos corridos, o Palestino tomou a ponta do Rangers após vencer o Cobreloa por 2 a 1 e contar com o tropeço do adversário frente ao O’Higgins – 2 a 1 para o Ohi. Com os resultados, o Palestino se classificou para os playoffs e ocupa a primeira posição com 29 pontos. O Rangers também tem 29.

– Os outros classificados até o momento são o Deportes Iquique, que perdeu do Santiago Wanderers, e o Colo Colo que foi derrotado pela Unión San Felipe, ambos pelo placar de 2 a 1.

– As outras quatro vagas estão abertas, mas hoje os classificados seriam, na ordem, Universidad de Chile, Huachipato, Universidad Católica e Cobreloa.

Paraguaias

– No Clausura do Paraguai o Guaraní, que liderava absoluto, empatou por 1 a 1 com o Independiente e perdeu para o Libertad por 2 a 0, justamente o seu mais direto perseguidor. Agora os Aborígenes têm 32 pontos em 14 jogos, contra 27 do Libertad. O Nacional, que venceu Sportivo Luqueño e Cerro Presidente Franco, é o terceiro, com 26.

– O fim de semana foi marcado pelo clássico entre Cerro Porteño e Olimpia. O Ciclón comprovou mais uma vez ter um melhor time e venceu por 4 a 1. O resultado deixou o Cerro na sexta posição, com um jogo a menos que os demais, e o Olimpia no quarto lugar, uma vez que, após a derrota no clássico, o Decano bateu o Independiente por 3 a 1.

Uruguaias

No Uruguai o Peñarol venceu o Racing por 5 a 2 e assumiu a liderança isolada do Apertura, agora com 20 pontos em nove partidas. O Defensor Sporting empatou por 1 a 1 com o Central Español e tem 19 pontos, assim como o Nacional, que perdeu para o El Tanque Sisley por 3 a 2.

Venezuelanas

– Na Venezuela o Deportivo Anzoátegui perdeu a primeira do Apertura 2012 – 2 a 0 para o Llaneros de Guanare – mas continua na ponta graças ao empate do Caracas com o Trujillanos por 0 a 0. Agora o Anzoátegui tem 23 pontos em dez jogos, mesma pontuação do Caracas.

– A terceira posição é do Deportivo Lara, que ganhou do Estudiantes de Mérida por 1 a 0 e que chegou aos 22 pontos, mas em 11 partidas. É a mesma pontuação e jogos que o Mineros de Guayana, vencedor do confronto com o Zulia por 3 a 1.

– O Deportivo Táchira é o 11º, com 14 pontos.

Colombianas

– No Finalizacion colombiano o Millonarios segue na liderança, mesmo com a derrota por 3 a 1 para o Deportivo Pasto. O Millos tem 31 pontos em 16 jogos, contra 29 do Junior, que venceu o Atlético Nacional por 1  a 0. La Equidad também tem 29 pontos e é a terceira colocada depois de vencer o Once Caldas por 1 a 0. O Itagüi tem 28 pontos e completa os quatro já classificados.

– Faltando duas rodadas para o fim da fase de pontos corridos, hoje os outros quatro times nos playoffs seriam Tolima, Atlético Nacional, Deportivo Pasto e Boyacá Chicó.

Equatorianas

– No Equador o Técnico Universitario venceu o Barcelona por 3 a 2 e assumiu a liderança do Segunda Etapa, agora com 26 pontos em 16 jogos. O Barcelona tem 25 pontos, mas em 14 partidas. A LDU, que perdeu do Deportivo Cuenca por 3 a 1, aparece na terceira posição, com 25 pontos em 16 jogos, mesma pontuação do Macará.

– O Emelec é o quinto após bater o próprio Macará por 3 a 0. O Deportivo Quito, que luta contra o descenso, venceu a Liga de Loja por 1 a 0.

Bolivianas

No Apertura boliviano o San José goleou o Oriente Petrolero por 5 a 2 e assumiu a liderança do torneio, agora com 26 pontos em 13 jogos. O The Strongest, que empatou com o Jorge Wilstermann por 2 a 2 tem 24 pontos, seguido pelo Bolívar, que bateu o Aurora por 3 a 1, e pelo Blooming, que venceu o La Paz por 3 a 0. Ambos têm 20 pontos.

Peruanas

– O Sporting Cristal empatou com a Universidad San Martín por 1 a 1, mas manteve a grande vantagem que tem na Liguilla A. A equipe Celeste tem 76 pontos em 39 partidas, contra 57 do Sport Huancayo, que venceu o Universitario por 3 a 0.

– Na Liguilla B o Real Garcilaso venceu o Juan Aurich por 3 a 1 e também abriu boa diferença. A equipe de Cuzco tem agora 75 pontos contra 66 da Universidad César Vallejo, que bateu o Sport Boys por 1 a 0.

– Faltam quatro rodadas para a decisão do campeonato entre os líderes da Liguilla A e Liguilla B