Os Jogos Paraolímpicos estão aí. E nesta quinta-feira já tem estreia brasileira em uma das modalidades do futebol paralímpico, o futebol de sete. O adversário do Brasil? A equipe da Grã-Bretanha, que voou para o Rio de Janeiro com o objetivo de conseguir bem mais do que o sétimo lugar conquistado em Londres, em 2012: o topo do pódio. Dentre os destaques do time britânico estão Sean Highdale e Michael Barker, jogadores que, de forma muito triste, viram o sonho de ascender no Liverpool e no Everton, clubes pelos quais costumavam jogar, ir por água abaixo.

LEIA TAMBÉM: E se o futebol masculino nas Olimpíadas, ao invés de sub-23, virasse um torneio de masters?

Alguns atletas paraolímpicos já nasceram com algum tipo de deficiência. Outros, vieram ao mundo sem problemas físicos, visuais ou mentais, mas foram pegos totalmente de surpresa pelas consequências que a vida algumas vezes acaba destinando. É o caso de Highdale. Nascido em uma família de fanáticos pelo Liverpool, o inglês de 25 anos de idade já esboçava fortes características de um boleiro aos nove. “As pessoas costumavam perguntar para o meu pai: seu filho vai ser jogador de futebol?”, contou o atleta em entrevista à BBC. E elas estavam certas. Por que não?

Highdale foi contratado pelo time que era unanimidade entre seus familiares. O qual, consequentemente, se tornou sua paixão. Pelas categorias de base, foi campeão da Copa da Inglaterra sub-18 ao bater o Manchester United. Isso ao lado de Jay Spearing, hoje no Bolton Wanderers, e Martin Kelly, do Crystal Palace. Um pouco mais jovem, o atleta representou a Inglaterra em partida contra a Irlanda do Norte, pelo sub-16. Dessa vez, junto com Jack Wilshere. “Eu estava muito confiante do quão longe eu poderia chegar”, revelou ainda Highdale.

Foi em abril de 2008 que a vida do jogador tomou um rumo inesperado. Vinte e quatro horas após um jogo contra o Derby County em que Highdale, que costumava jogar no meio-campo, teve uma atuação de gala, o britânico sofreu um acidente de carro com mais quatro amigos. Dois deles faleceram. “Fui um dos que, por sorte, sobreviveram. No entanto, fiquei em coma durante cinco dias. Rompi três dos quatro principais ligamentos do meu joelho direito, quebrei meu tornozelo e meu pescoço, e tive que retirar um rim”, comentou o paralímpico.

E MAIS: Reforço do Liverpool pediu uma ‘selfie’ a Klopp para acreditar que interesse era real

Uma das primeiras notícias que Highdale recebeu ao acordar do coma foi que sua carreira no futebol terminava ali. Mas graças a palavras de apoio e estímulo de Steven Gerrard, seu maior ídolo, o atleta encontrou forças para se reerguer. “Superei todos os obstáculos que colocavam na minha frente”, disse. Assim como todos os jogadores do futebol a sete, Sean sofre com uma lesão cerebral irreversível. E esta será sua primeira vez nos Jogos Paraolímpicos desde que encontrou na modalidade uma alternativa para dar continuidade a um sonho que sobreviveu junto com ele naquele carro, em 2008.

Um dos companheiros de Highdale na busca pelo ouro nestas Paraolimpíadas é Michael Barker. Porém, os dois nem sempre estiveram do mesmo lado do campo. Apesar de ambos terem em comum o fato de terem sido vítimas de acidentes, Barker pertencia à parte azul de Merseyside. Ao lado de Wayne Rooney, o atleta foi jogador das categorias de base do Everton por algum tempo antes de ser atropelado por um ônibus e ficar com sequelas mentais. Diferente de Highdale, Michael é veterano no time britânico de futebol a sete e se encaminha para sua terceira participação nas Paraolimpíadas.

Em 2012, o ex-toffee concedeu uma entrevista ao The Sun na qual ele revelou seu maior desejo: virar um jogo a favor de sua equipe e sair correndo em direção à torcida. Não aconteceu há quatro anos, mas por que não pode acontecer este ano? Com os novos reforços no time da Grã-Bretanha após o mau resultado obtido em Londres, dificilmente os britânicos repetirão o desempenho nestes Jogos Paraolímpicos. Além de Highdale e Barker, a equipe da ilha europeia conta com Jack Rutter, que já jogou no Birmingham e também fará sua estreia nas Paraolimpíadas nesta quinta-feira.

Ficha técnica da partida entre Brasil e Grã-Bretanha:

Data: 08 de setembro de 2016

Horário: 10 horas

Local: Estádio de Deodoro, Rio de Janeiro

A transmissão será por conta dos canais SporTV. Ingressos ainda estão à venda, custam entre R$ 20 e 30 e podem ser adquiridos clicando aqui.

Chamada Trivela FC 640X63