Na volta da Libertadores depois da paralisação por causa da pandemia da COVID-19, já tivemos uma história de redenção. O atacante Walter, de 31 anos, marcou o seu primeiro gol depois do retorno ao futebol. Foi dele o tento da vitória do Athletico Paranaense sobre o Jorge Wilstermann por 3 a 2, em Cochabamba, em um jogo muito movimentado. Os bolivianos estiveram à frente no placar por duas vezes, mas o Furacão conseguiu buscar o resultado e contou com um gol nos acréscimos para sair com a vitória, crucial na briga por classificação.

O técnico interino do Athletico, Eduardo Barros, levou a campo um time experiente para começar a partia. O principal nome era Lucho González, que atuou como atacante no esquema 4-4-2. Ficou ao lado de Fabinho, com Cristian e Geuvânio atuando pelos lados do campo com a bola, fechando os espaços quando o time se defendia.

O primeiro gol saiu aos 11 minutos. Em um lançamento longo de Christian Chavez (sim, é aquele, ex-São Paulo), Gilbert Alvarez se antecipou ao goleiro Santos, que saiu mal, deu um toque que deixou o arqueiro do Furacão para trás e tocou para o gol vazio: 1 a 0.

O empate só veio no final do primeiro tempo. Depois de cobrança de escanteio, Fabinho se projetou para a bola e foi tocado pelas costas. Caiu e o árbitro Angelo Hermosilla apontou a marca da cal. Lucho González cobrou bem e marcou: 1 a 1. Foi o placar do primeiro tempo.

No começo do segundo tempo, o time da casa conseguiu voltar a ficar em vantagem. Patito Rodríguez (sim, também é aquele, ex-Santos) fez a jogada pela ponta direita e cruzou para a área. O brasileiro Serginho, camisa 10 do time boliviano, apareceu com liberdade no meio da área para tocar e marcar: 2 a 1.

O Athletico foi para cima. Lucho González e Geuvânio deram lugar a Pedrinho e Ravanelli. Aos 29 minutos, Christian partiu pelo meio, tabelou com Fabinho e saiu na cara do gol para tocar e marcar: 2 a 2

O goleiro Santos precisou fazer uma interferência decisiva pouco depois para impedir o gol do Jorge Wilstermann, em uma bola à queima roupa. O empate já parecia um bom resultado para o Furacão, já que os bolivianos tentaram acelerar o ritmo para explorar o cansaço dos brasileiros na altitude de 2500 metros de Cochabamba.

Só que o que mudou o jogo veio logo depois. Aos 38 minutos, Walter entrou no lugar de Christian. Carlos Eduardo, que entrou no lugar de Fabinho, fez jogada pela direita e tomou uma entrada dura de Serginho. Como já tinha cartão amarelo, foi expulso. Os bolivianos terminariam a partida com um jogador a menos.

O relógio já passava dos 45 minutos quando o lateral direito Jonathan cruzou da direita, Walter dominou, girou e bateu, no canto para marcar. Era o gol da virada do Athletico, fora de casa: 3 a 2 e virada do clube paranaense no estádio Felix Capriles.

Foi apenas o terceiro jogo de Walter neste retorno ao futebol. Ele tinha voltado na partida contra o Fluminense, no dia 22 de agosto, quando jogou 27 minutos. Depois, jogou mais nove minutos em jogo contra o Red Bull Bragantino. Desta vez, marcou o gol da vitória do time na volta da Libertadores. Uma vingança do Furacão pelo que aconteceu em 2019, no mesmo estádio, quando tomou o gol no final em uma derrota pelo mesmo placar, 3 a 2.

A vitória é crucial. O Athletico chega a seis pontos, mesma pontuação do Colo-Colo. O Wilstermann fica com três pontos, mesma pontuação do Peñarol.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore