Ela queria apenas assistir ao jogo entre o seu Al-Shabab e o Al-Etihad, mas nada é simples para as mulheres na Arábia Saudita. A legislação do reino as proíbe de frequentar eventos esportivos, o que não deveria ser uma surpresa no único país que ainda impede suas cidadãs de dirigirem um carro. Depois de se vestir como um homem, comprar ingresso pela internet e sentar na arquibancada do estádio Al-Jawhara, essa torcedora do Al-Shabab acabou presa.

LEIA MAIS: Pelo menos os seus pais nunca interromperam a sua entrevista com um ritual africano

A sua identidade não foi revelada pela imprensa saudita. O porta-voz da polícia, Atti al-Qurashi, confirmou que uma mulher foi avistada “deliberadamente disfarçada” de homem para evitar a prisão. De acordo com o jornal estatal Okaz, a polícia questionou por que ela estava usando calças, uma blusa de manga cumprida, chapéu e óculos escuros. Ela se defendeu dizendo que não sabia da proibição. Na Arábia Saudita, a maioria das mulheres usa véu para cobrir o rosto e precisa vestir um longo vestido negro.

Um vídeo no YouTube mostrava uma mulher sentada sozinha no setor de visitantes do Al-Jawhara com um cachecol do Al-Shabab, mas as imagens foram tiradas do ar.

Segundo o jornal, a jovem na casa dos 20 anos está sob custódia da polícia desde sexta-feira, em um centro de detenção feminino na província de Mecca, aguardando as acusações. Al-Qurashi, em um comunicado, disse que não sabia se ela seria mesmo processada, mas fez questão de lembrar “a necessidade de cumprir as regras e instruções estabelecidas pelas autoridades sobre esse assunto”.

Diferente da proibição de mulheres ao volante, a Arábia Saudita não está sozinha nas leis que as impedem de frequentar eventos esportivos. Mês passado, uma iraniana foi presa por ter tentado assistir a uma partida de vôlei em Teerã. Os sauditas recentemente suspenderam essa regra para partidas da Liga dos Campeões da Ásia contra o Western Sydney e para que americanas de uma delegação do congresso pudessem visitar o estádio. Apenas em casos especiais.