É incrível como a harmonia do PSG se desfaz com tanta facilidade e ao mínimo chacoalhão

Uma derrota completamente reversível para o Dortmund na ida das oitavas da Champions League abriu caminho para uma série de minicrises no clube

Graças ao seu apoio, as colunas das cinco grandes ligas da Europa estão de volta, e quarta é dia do Tout le Foot, com informações e análises sobre o futebol francês. Faça parte do nosso financiamento coletivo no Apoia.se e nos ajude a bater mais metas.

Por mais que se possa questionar a postura de Neymar de se queixar publicamente da escolha do clube de preservá-lo nos quatro jogos anteriores ao início do mata-mata da Champions League, a discussão principal aqui não pode ser o comportamento do brasileiro. Em um panorama mais geral, o que o episódio de pós-jogo desta terça-feira (18) nos traz é uma amostra do quão mal gerido o Paris Saint-Germain é internamente. E, apesar das afirmações de Leonardo de que a cobertura da imprensa local em torno do clube é cercada de negatividade, o PSG em si não faz um grande serviço a si mesmo ao fazer desmoronar sua harmonia ao mínimo chacoalhão.

[foo_related_posts]

Depois de 17 dias sem jogar, perdendo quatro partidas no intervalo, Neymar voltou ao PSG já como titular para o confronto com o Borussia Dortmund pela ida das oitavas de final da Liga dos Campeões. Como seria de se imaginar, o brasileiro sofreu com a falta de ritmo e, em uma equipe mal armada taticamente, esteve longe do nível excepcional que vem apresentando na temporada.

Após a partida, em diversas entrevistas na zona mista do Signal Iduna Park, o brasileiro revelou que, na verdade, poderia estar atuando desde pelo menos o jogo com o Lyon, em 9 de fevereiro. Em suas palavras, deixou claro que discutiu com os médicos do clube para estar presente nas partidas de preparação ao confronto com o Dortmund e lamentou a falta de ritmo que acabou custando muito também à equipe.

“Estava realmente lesionado, tinha uma fissura na costela. Mas não era nada que me impedisse de jogar. Óbvio que tive que ficar recuperando uma semana. Para o jogo contra o Lyon (9 de fevereiro) eu já meio que estava preparado para jogar, já queria jogar. Só que adiaram de novo, adiaram de novo e adiaram novamente. (…) Entendo o medo que o clube sofre, porque em dois anos acabei ficando fora das oitavas. Respeito as decisões, mas não pode ser assim, porque quem acaba sofrendo é o jogador. Foi muito difícil poder jogar um jogo como esse, intenso, 90 minutos sem parar. É diferente. Se estivesse em condições melhores físicas com certeza teria feito um jogo melhor.”

As palavras após a partida não parecem ser um desabafo espontâneo. Pelo contrário, soam como um compreensível esforço coordenado de comunicação por parte do estafe do jogador. Afinal, na véspera do duelo com o Dortmund, pessoas próximas ao jogador vazaram a mesma informação a veículos como L’Équipe e Uol.

Para registrar aqui a crítica que cabe ao jogador, atirar no ventilador o problema interno com o clube não foi o melhor dos cursos de ação que Neymar poderia ter tomado. Foi, entretanto, a forma encontrada pelo atleta de se defender das críticas de que foi alvo desde a lesão. Uma decisão que, embora criticável, é também compreensível.

Faz-se necessário aqui ressaltar que não temos acesso a todas as circunstâncias de bastidores que levaram a esta situação, mas com o que se tem de público, é difícil absolver o PSG da gestão ruim do problema.

Se em sua premissa o clube tem também seu motivo para querer preservar o jogador, diante do histórico negativo de tê-lo perdido nos dois últimos mata-matas de Champions League, por outro lado a comunicação do episódio deveria ter sido melhor, mais transparente e de forma que não expusesse Neymar à sorte de abuso que recebeu desde que a lesão foi anunciada. Foi irresistivelmente fácil à parte da imprensa e da torcida encaixar este mais recente problema físico na narrativa de que o camisa 10 pipoca no momento decisivo, some atrás de lesões e trata mal suas contusões.

Neste intervalo em que esteve sem jogar, Neymar celebrou seu aniversário e esteve em um compromisso comercial marcado de longa data com um de seus patrocinadores – em acordo com o próprio clube. Se internamente, como agora se sabe, a lesão não era grave, externamente a impressão que se passou foi de que o jogador não estava tendo o zelo necessário com seu problema físico.

Bastaria ao PSG uma comunicação mais fiel a como as coisas vinham acontecendo para blindar o seu melhor jogador – no papel e na prática, nesta temporada – das críticas. Com as informações que agora vão saindo, direta e indiretamente, de dentro do CT de Camp des Loges, vê-se que a explicação clara da sucessão de acontecimentos não seria grave ao time.

A RMC Sport escreve nesta quarta-feira (18) que as palavras de Neymar não foram bem recebidas por membros da equipe médica do clube – o que é de se esperar. Ao veículo, contam que o brasileiro e Thomas Tuchel foram avisados em 3 de fevereiro que a lesão sofrida, apesar de parecer inócua, poderia se desenvolver e virar uma fratura grave. Neymar, como disse publicamente a jornalistas na terça, já se sentia bem para jogar, mas entrar em campo representaria um risco.

Comunicar claramente tudo isso à medida que as coisas iam acontecendo não deixaria brechas para uma crise como a que parece se desenhar agora entre jogador e clube. Ao escolher não fazê-lo, o PSG assumiu o risco de ter a história revelada de forma que fugisse a seu controle, já que restaram poucas opções a Neymar que não trazer à luz a questão a partir de sua perspectiva.

Como desgraça pouca é bobagem a este clube, após o fim do jogo, Manu Kimpembe, irmão do zagueiro Presnel Kimpembe, publicou em uma de suas redes sociais um vídeo em que ofende com palavras pesadas o técnico Tuchel, demonstrando insatisfação com a montagem do time pelo alemão. Esta reação, sim, pareceu um ato espontâneo, mas é também mais uma mostra da falta de gestão apropriada por parte da direção sobre seus encarregados.

O mais impressionante é constatar que todo este colapso acontece depois de uma derrota por 2 a 1 em uma partida de ida contra um adversário forte como o Borussia Dortmund, que conta com dois dos jogadores em melhor momento no futebol mundial, Jadon Sancho e Erling Haaland.

Se em termos de discurso Leonardo foi basicamente impecável ao proteger seus atletas, treinador e instituição na entrevista dada ao Canal+ após a vitória contra o Lyon, em 9 de fevereiro, na prática o clube não demonstra unidade suficiente para aguentar o mínimo tranco que é uma derrota que pode ser revertida com um simples 1 a 0 em casa, na volta.

Se o Bayern de Munique ficou conhecido no passado relativamente recente como o Hollywood FC, o PSG faz por merecer a alcunha de Carreta Furacão EC – um comboio na maior parte do tempo divertido de se ver, mas com membros cada um em sua própria dança e em um trajeto por vezes perigosamente desgovernado.