Que o futebol tenha mudado um bocado nos últimos anos, o desejo de vestir a camisa do próprio time ainda embala os sonhos de qualquer menino. Não é a superexposição dos clubes europeus que nega o prazer de entrar no gramado de seu estádio, de ver a sua torcida a partir de uma perspectiva diferente e de repetir o gesto de seus grandes ídolos. Durante a última semana, Luan não escondeu sua empolgação na chegada ao Corinthians. Beijou o escudo, relembrou as histórias de sua infância, posou com Marcelinho Carioca. E o início do atacante se torna ainda mais animador à Fiel quando, dentro de campo, o camisa 7 transformou a sua felicidade em gols e grandes lances logo na estreia.

A Flórida Cup não é exatamente o melhor teste de fogo para Luan, mas o atacante pôde brilhar contra o New York City no início da pré-temporada. E a sua participação logo nos primeiros minutos de jogo, para encaminhar a vitória do Corinthians por 2 a 1, serviu para fazer brilhar os olhos de outros torcedores como ele. Primeiro, Luan honrou a magia da camisa 7. Cobrou uma falta que já serviu para lembrar a categoria de Marcelinho. Mandou uma bola cheia de curva, mirando o ângulo, suficiente para sair do alcance do goleiro. E, como se não bastasse, outra pintura saiu dos pés do novato na sequência. Bateu bonito de fora da área, para estufar as redes e contagiar de vez a torcida alvinegra.

Eleito melhor em campo, Luan recebeu o prêmio das mãos de Marcelinho, o ídolo que ele acompanhava pela TV durante os tempos de menino. E o Pé de Anjo também se torna um elemento fundamental a este bom ambiente ao redor do reforço, provocando certos ares de nostalgia. Marcelinho entregou a camisa 7 a Luan durante sua apresentação e criou uma relação imediata com o “herdeiro”, o que produziu imagens bacanas nos últimos dias. O próprio Luan escancara, além do marketing das ações em si, como a chegada ao Corinthians significa à sua própria história de vida.

“Para mim é um sonho que está se realizando, podendo jogar no Corinthians, o clube que torci a minha vida inteira. Todos me receberam muito bem”, declarou Luan, em sua apresentação. “Acho que essa camisa caiu muito bem. Usava esse uniforme desde pequeno, desde criança. Prometo dedicação e raça dentro de campo pra conquistar os objetivos”. Durante a adolescência, o atacante chegou até mesmo a passar por testes no Corinthians. Ficou uma semana em São Paulo, mas mal pôde treinar nas categorias de base, descartado por ser “muito magrinho”. Anos depois, os alvinegros corrigem o seu erro.

A caminhada de Luan no Corinthians terá seus obstáculos, é claro. A imagem como protagonista do Grêmio na Libertadores ficou para trás há algum tempo, diante da queda de rendimento do camisa 7 nos últimos dois anos. O excesso de contusões, sobretudo no pé, atrapalhou bastante sua sequência. A retomada não é apenas uma questão de motivação, o que está claro que existe neste novo momento com o Corinthians. Também dependerá desta recuperação completa do ponto de vista físico, e a equipe médica alvinegra poderá ajudar.

A alegria expressa de Luan, ao menos, transforma essa escalada em um trajeto mais leve. A vontade se une ao talento inegável. E se queria deixar uma boa impressão inicial nos torcedores, esse começo na Flórida Cup serviu para muitos alvinegros já se declararem “iludidos” com seu novo camisa 7. Há uma responsabilidade grande sobre o atacante neste momento de mudanças, no qual os corintianos iniciam sua relação com Tiago Nunes e o ex-gremista vira o principal rosto do ataque. Porém, facilita quando o reforço entende de imediato o seu significado à Fiel.

Por esse identificação instantânea, Luan também encurta um possível caminho para se tornar ídolo do Corinthians. Não é uma “cria do terrão”, mas sua relação com os alvinegros está firmada desde já. Ao “bando de loucos”, afinal, ele sempre pertenceu. Sabe o que pedirão em campo, sabe como deve se portar. Agora, é realizar também os sonhos dos alvinegros ao brigar por vitórias e buscar títulos. O primeiro capítulo escrito nos Estados Unidos, mesmo que sem grande importância em nível competitivo, deixa uma expectativa positiva sobre o futuro.