Quando um jogador consegue momentos importantes dentro de um clube, eles devem ser comemorados. Se o jogador consegue ser protagonista em sua própria comemoração, fica melhor ainda. Pois Paulo Dybala conseguiu tudo isso neste domingo. Alvo de críticas durante a semana, pela atuação tímida contra o Barcelona na Liga dos Campeões, o argentino reagiu como se espera dele: com os três gols dos 3 a 1 da Juventus sobre o Sassuolo, na 4ª rodada do Campeonato Italiano, em seu 100º jogo vestindo a camisa bianconera.

Claro, a Juve não suou muito para começar a se impor no Mapei Stadium. Já aos 10 minutos do primeiro tempo, teve boa chance para abrir o placar. Após cruzamento, Gonzalo Higuaín completou de primeira, exigindo a defesa de Andrea Consigli. Na sobra, Davide Astori tirou antes da chegada de Mario Mandzukic. Porém, faltava o protagonista aparecer. Isso aconteceu aos 16 minutos. E em grande estilo. Alex Sandro tocou para a direita, e Dybala nem ajeitou a bola: bateu de primeira, no canto esquerdo, sem que Consigli pudesse sequer pensar em pular para defender. Golaço – aliás, o 50º de “La Joya” com a camisa da Velha Senhora.

O Sassuolo até apareceu, no primeiro tempo, aos 27 minutos. Diego Falcinelli ficou livre na área, após lançamento entre a defesa da Juve. E só não fez o gol de empate porque Gianluigi Buffon saiu prontamente para fechar seu ângulo e rebater. Ainda assim, logo no começo da etapa complementar, Dybala mostrou que não perderia a chance de comemorar seu centésimo jogo do melhor jeito possível: marcou outro belo gol aos quatro minutos, recebendo fora da área e arrematando, de bico, no canto esquerdo de Consigli.

O calor começava a se fazer sentir na Reggio-Emilia, e a Juve acabou permitindo o gol de honra do Sassuolo, logo depois, aos sete minutos. No domínio, Claud Adjapong tirou Stephan Lichtsteiner da jogada e tocou na saída de Buffon, sem ângulo. A bola ainda ficou solta na pequena área, mas Matteo Politano enfim chegou para diminuir. Todavia, só para não deixar dúvidas de seu talento, Dybala abrilhantou ainda mais seu marco pessoal na Juve com o 3 a 1, em cobrança de falta irretocável, aos 18 minutos, tornando-se o primeiro jogador a marcar nas quatro primeiras rodadas do Italiano desde Luca Toni em 2005/06. Provou que só é cobrado por melhores atuações na Liga dos Campeões (e até na seleção argentina) porque seu talento é diferenciado.