Dybala aproveitou erros crassos do Ferencváros para quebrar seca de gols e contribuir à goleada da Juve

Quando você está há dez jogos sem fazer gol, jejum incômodo a um atacante, o sonho é ter uma chance, sem goleiro, sem marcação, na pequena área, para afastar a zica. Paulo Dybala realizou o seu sonho, nesta quarta-feira, ao anotar não apenas um, mas dois gols – o segundo foi oficialmente contra – após erros crassos do Ferencváros na saída de bola. Com eles, a Juventus goleou os húngaros, por 4 a 1, fora de casa, nesta quarta-feira.

Não estava sendo um jogo tão fácil até então. A Juventus abriu logo o placar, com um cruzamento rasteiro de Cuadrado, que passou pela tentativa de bater de letra de Cristiano Ronaldo e encontrou Álvaro Morata livre. O Ferencváros atacou mais nos minutos seguintes, sem muito perigo, com exceção de um chute rasteiro de Tokmac Nguen e outro de Oleksandr Zubkov da entrada da área.

O Ferencváros, aliás, chutou bastante. Foram 12 finalizações, mas a maioria completamente torta – oito foram para fora. A Juventus teve chances razoáveis de ampliar, mas conseguiu apenas aos 15 minutos da etapa final, quando Ronaldo deu o passe rasteiro, Cuadrado não alcançou e Morata completou com estilo.

A instabilidade da saída de bola do Ferencváros havia ficado clara quando Ronaldo interceptou a bola e entrou livre pela direita. Seu chute cruzado passou perto da trave porque ele ainda tinha o goleiro Dénes Dibusz para superar. Dybala teve uma missão mais fácil.

Ele primeiro tentou fazer um golaço. Bateu com cavadinha por cobertura de fora da área. Passou bem perto. No tiro de meta, Miha Blazic, pela lateral direita, recuou para Dibusz com um passe bem ruim. O goleiro não conseguiu dominá-lo e, na prática, amorteceu a bola para o argentino empurrar às redes. Foi o primeiro gol de Dybala desde julho.

Nove minutos depois, foi Dibusz quem errou feio. Tentou sair jogando curto em cima de Dybala. Conseguiu se recuperar para fechar o ângulo, mas o chute do argentino bateu em seu corpo e estava entrando no gol quando o corte errado de Lasha Dvali deu o empurrãozinho final.

Os húngaros conseguiram descontar, com Franck Boli, que precisou chutar duas vezes para superar Szczesny, mas a vaca havia há muito ido para o brejo. A Juventus está em segundo lugar do grupo, três pontos atrás do Barcelona.

.

.