Seis participantes do Mundial de Clubes da FIFA 2015 já estavam confirmados, mas faltava o representante do país sede, no caso o campeão japonês. Numa final com boas doses de emoção, o Sanfrecce Hiroshima superou o Gamba Osaka e levantou sua terceira taça na história da liga nacional, ficando a quatro troféus do maior campeão Kashima Antlers.

LEIA MAIS: Para técnico da Austrália, Tim Cahill pode chegar à Copa de 2018, quando terá 39 anos

No jogo de ida da decisão, o Sanfrecce Hiroshima surpreendeu nos domínios do adversário ao vencer por 3 a 2, com três gols a partir dos 35 minutos do segundo tempo, um deles de Douglas. A sensacional virada deixou a equipe perto de sua segunda participação no Mundial de Clubes e, na madrugada deste sábado, 5 de dezembro, o Sanfrecce Hiroshima confirmou a conquista ao empatar em 1 a 1 em casa, com o apoio de quase 37 mil torcedores.

Pena que os campeões nacionais nem poderão descansar e comemorar, pois o Sanfrecce Hiroshima terá de percorrer cerca de 1h30 de avião até a cidade de Yokohama, local do jogo de abertura do Mundial de Clubes da FIFA 2015. No próximo dia 10 de dezembro, na quinta-feira, o campeão japonês entra em campo para medir forças com o Auckland City (Nova Zelândia), time semiprofissional que surpreendeu na edição de 2014 ao só cair nas semifinais diante do San Lorenzo, mas na prorrogação.

Detalhe que as duas equipes já se enfrentaram na mesma etapa no Mundial de Clubes da FIFA 2012, quando o Sanfrecce Hiroshima venceu o Auckland City por 1 a 0, gol de Toshihiro Aoyama aos 21 minutos da etapa final. Naquele ano, a equipe japonesa parou nas quartas de final ao levar de 2 a 1 do Al Ahly (Egito), adversário do Corinthians nas semifinais.

Daquele time de 2012, o Sanfrecce Hiroshima permaneceu com 14 jogadores que agora terão mais experiência para encarar o Auckland City. Apesar de ter bons atletas locais, quem pode desequilibrar a favor dos japoneses é um desconhecido atacante brasileiro…

Douglas, a esperança

É evidente que o Sanfrecce Hiroshima é o favorito para alcançar as quartas de final e enfrentar o TP Mazembe (República Democrática do Congo), mas não será tão fácil quanto parece. E a grande esperança dos japoneses é brasileira.

O atacante Douglas tem 27 anos e começou a carreira no Moto Club (Maranhão), time de seu estado natal – é de Morros, cidade de quase 19 mil habitantes que fica a 100 km da capital São Luís –, chamou a atenção e se transferiu para o Figueirense, o melhor time que Douglas defendeu no Brasil. Porém, ele não teve qualquer destaque: jogou sete partidas, cinco como titular na Série B 2009, com um gol anotado, mas acabou dispensado durante a parada da Série B 2010 com apenas 13 minutos em campo.

A partir daí, Douglas conseguiu deixar o futebol brasileiro e assinou com o Tokushima Vortis, da segunda divisão nacional. Com apenas 21 anos na época, o jogador demorou a se destacar, passando à condição de titular apenas na temporada 2012, quando marcou quatro gols em 28 partidas, 22 começando jogando.

Na segunda divisão de 2013, Douglas teve seu grande momento: foi o vice-artilheiro da equipe na competição com 13 gols em 31 partidas, 15 de titular, ajudando o Tokushima Vortis a ser o campeão e alcançar o acesso. Douglas até jogou na elite japonesa, mas foram apenas 13 partidas (quatro como titular) e sem gols anotados, o que levou o brasileiro a ser emprestado para o Kyoto Sanga, que estava na segunda divisão.

Somente aos 27 anos que Douglas vem fazendo sucesso na elite do Japão. Emprestado ao Sanfrecce Hiroshima, o atacante foi o vice-artilheiro do Campeonato Japonês 2015 com 21 gols, dois a menos que Yoshito Okubo (Kawasaki Frontale). Titular em 30 dos 35 jogos, Douglas vive ótimo momento, está confiante e é a principal peça do Sanfrecce Hiroshima diante dos neozelandeses. Será que a ex-promessa do Moto Club finalmente vai vingar na carreira?

Curtas

– Douglas não é o único estrangeiro do Sanfrecce Hiroshima no Mundial de Clubes da FIFA 2015. O veterano zagueiro/lateral-direito croata Mihael Mikic, 35 anos, está na equipe desde 2009, com mais de 139 jogos e cinco gols. Ele defendeu as seleções sub-19 e sub-21 de seu país, mas nunca a principal. Mihael Mikic ainda atuou no Kaiserslautern (Alemanha) entre 2004 e 2006 e teve duas passagens no Dinamo Zagreb, decacampeão croata. O outro estrangeiro é o zagueiro sul-coreano Byeon Jun-Byum.

– Nenhum jogador do Sanfrecce Hiroshima esteve com a seleção japonesa na última convocação das eliminatórias 2018. Porém, alguns foram chamados recentemente, como os zagueiros Tsukasa Shiotani e Hiroki Mizumoto, que têm menos de dez convocações. Kazuhiko Chiba, apesar de ter 30 anos, só tem uma partida na seleção, enquanto Toshihiro Aoyama, 29 anos, e o jovem Takuma Asano, 21, jogaram a Copa do Leste Asiático 2015, torneio no qual o técnico bósnio Vahid Halihodzic utilizou um time B.

– Dentre os 14 atletas que estiveram no Mundial de Clubes da FIFA 2012 pelo Sanfrecce Hiroshima, três se destacam. O meia Koji Morisaki tem 34 anos e só defendeu a equipe na carreira, tendo mais de 300 partidas e 62 gols. Com a mesma idade, Kazuyuki Morisaki começou nas divisões de base do Sanfrecce Hiroshima e se profissionalizou em 1999, com mais de 434 jogos pela equipe principal. Aos 32 anos, o ponta Satoru Yamagishi joga no time desde 2010 e tem mais de 286 partidas com a equipe.

– As melhores campanhas dos times japoneses no Mundial de Clubes ocorreram há algum tempo. Em 2007, o Urawa Red Diamonds foi até as semifinais ao eliminar o Sepahan (Irã), mas levou de 1 a 0 do Milan, gol de Clarence Seedorf no meio da etapa final. Na temporada seguinte, o Gamba Osaka passou pelo Adelaide United (Austrália) e sucumbiu também nas semifinais, levando de 5 a 3 do Manchester United, que ainda tinha Cristiano Ronaldo.


Os comentários estão desativados.