Todo clube de futebol possui seu papel social. E deveria ser obrigação de qualquer agremiação uma retribuição concreta à sociedade, com ações e participação em discussões. Os clubes alemães costumam ser exemplares neste sentido, até mesmo por sua própria estrutura administrativa, atrelada majoritariamente às comunidades locais. O Borussia Dortmund, em especial, encabeça diversas iniciativas sociais e, num momento alarmante de revisionismo histórico e de ascensão de grupos neonazistas, também olha ao passado. Na próxima semana, dirigentes aurinegros participarão do Fórum Mundial sobre o Holocausto.

O evento organizado por Israel comemorará os 75 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz, em 27 de janeiro de 1945. O Borussia Dortmund recebeu um convite especial da organização do fórum, por suas ações constantes na conscientização sobre o Holocausto. Há mais de dez anos, os aurinegros estão envolvidos em projetos de educação contra o antissemitismo e sobre o extermínio de judeus na Alemanha Nazista.

Em 2019, ao lado de empresas como o Deutsche Bank e a Volkswagen, o BVB chegou a doar €1 milhão para a construção de um memorial em Jerusalém sobre o Holocausto. O projeto pretende oferecer o maior museu do planeta voltado ao tema, com uma ampla coleção de objetos relacionados. Também terá instalações voltadas à pesquisa e à restauração de itens.

Chefe-executivo do Dortmund, Hans-Joachim Watzke comentou o convite ao fórum: “É uma grande honra e um grande reconhecimento para o Borussia Dortmund que possamos participar do Fórum Mundial sobre o Holocausto. Nossa doação no último ano foi um sinal de que estamos cumprindo com firmeza nossa responsabilidade social. Ao mesmo tempo, também é um sinal que ainda precisamos aprender com o passado e que o antissemitismo deve ser claramente combatido ainda hoje”.

O clube também anunciou que adotará a definição de antissemitismo proposta pela Aliança Internacional de Lembrança ao Holocausto (IHRA), para atuar mais incisivamente quanto ao tema. “O futebol em geral e o Borussia Dortmund em particular têm poder para abordar e sensibilizar as pessoas, independentemente da escolaridade, da idade ou das oportunidades financeiras. Nesse contexto, a adoção das medidas propostas pelo IHRA são um passo importante”, declarou o diretor Carsten Cramer.

Além do envolvimento com a educação sobre o Holocausto, o Borussia Dortmund abraça outras pautas sociais. Nos últimos anos, algumas medidas tomadas pelos aurinegros se concentraram nas campanhas de acolhida aos refugiados na Alemanha. O clube participa de projetos que dão oportunidades a refugiados através do futebol e também oferece ingressos gratuitos a famílias refugiadas. Uma atitude exemplar e uma consciência que deveria ser mais comum no futebol.