Dois anos depois de perder a final da Euro Sub-21 para a Alemanha por 1 a 0, a Espanha teve em 2019 a chance de dar o troco. Desta vez, seu favoritismo não foi inútil. Conforme prometido, a Rojita foi superior ao adversário, dominou a segunda melhor seleção da edição 2019 do torneio e, com um 2 a 1, ratificou que era, com alguma sobra, a melhor equipe da competição disputada na Itália.

O resultado não traduz exatamente o que foi o jogo. Um placar mais apropriado talvez devesse ter sido um 3 a 1. Por quase toda a duração da partida, os espanhóis pareceram em controle absoluto do duelo. Começaram o primeiro tempo estrangulando o adversário e logo aos sete minutos abriram o placar, em chute baixo colocado de Fabián Ruiz. O meia do Napoli, aliás, foi o grande nome da partida, mantendo o alto nível das atuações que fizera até aqui.

Embora o ímpeto ofensivo dos primeiros minutos de jogo não tenham se mantido até o intervalo, a Espanha seguiu controlando a partida, sem correr riscos e mantendo a posse de bola. No segundo tempo, a Alemanha equilibrou isso em parte e até mesmo terminou o jogo com mais finalizações que o time de Luis de la Fuente, mas sem verdadeiramente parecer por tempo o bastante que poderia reverter o revés.

Por volta dos 20 minutos do segundo tempo, os alemães haviam ganhado momento e poderiam ter aproveitado isso para buscar o empate. Porém, logo aos 25, Ceballos entrou em cena para decidir – como fizera tantas outras vezes neste torneio. Após bela jogada individual, mantendo a posse com dribles precisos para se livrar dos adversários, deu a bola para Fabián. O meia chutou forte, Nübel deu rebote, e, na sobra, Dani Olmo, outro que infernizou a defesa alemã ao longo do jogo, pegou de primeira para encobrir o goleiro alemão com categoria e fazer 2 a 0.

O gol foi um banho de água fria aos alemães, e os espanhóis aproveitaram para crescer. O tento deu leveza ao time, que passou a a bola com fluidez, fazendo os ataques parecerem fáceis. Aos 30 minutos, Fabián tabelou bem com Mayoral e quase fez o terceiro. Cinco minutos depois, foi a vez de Soler levar perigo, acertando belo chute no travessão.

A Alemanha ainda conseguiu diminuir: um chute forte de Amiri, desviado em Vallejo, encobriu o goleiro Sivera, aos 44 minutos da etapa complementar. O tempo, no entanto, era curto, e a Espanha soube reter a bola no campo de ataque e fechar os espaços na defesa para confirmar o merecido título.

A Espanha chegou à Itália para a disputa desta Euro Sub-21 como uma das favoritas, mas logo de cara perdeu para a equipe anfitriã sendo completamente dominada, sobretudo fisicamente. As peças eram boas, mas parecia faltar um encaixe. Entretanto, o time fez o caminho inverso de seus principais concorrentes: progressivamente foi melhorando, cada jogo servindo para as individualidades se potencializarem, por fim convergindo em um time redondo e difícil de segurar.