O jogo menos atraente do Mundial de Clubes é justamente o primeiro. A Fifa tenta atrair o público com o campeão do país-sede do torneio. No Japão, isso não funcionou. O Sanfrecce Hiroshima, time que tem dominado o campeonato local, venceu sem dificuldades o Auckland City por 2 a 0. Uma vitória tranquila de um time que tem sido uma potência nacional. Nos últimos quatro anos, o Sanfrecce ganhou três títulos.

LEIA TAMBÉM: O River Plate já chegou ao Japão, e o “Fantasma de la B” também estará no Mundial de Clubes

O estádio não estava muito cheio, apesar do time jogava ser local. Só 19.421 estiveram no estádio para assistir à partida. Pouco, mas maior do que a média de público do Sanfrecce na J-League, 16.382. O jogo ser à noite em Yokohama, mas a distância é grande até Hiroshima. São 800 quilômetros separando as duas cidades, uma viagem de quase 10h de carro ou 11h30 de trem. Por outro lado, é a chance de assistir ao time em um Mundial de Clubes.

A confiança do Sanfrecce era tão grande que o time até poupou jogadores. Sato, um dos grandes destaques do time, Douglas, Shibasaki, Morisaki e Mikic ficaram no banco de reservas na partida. Douglas ainda entrou durante o jogo, ajudou a complicar a vida do Auckland, participando de algumas jogadas que levaram perigo.

O jogo, porém, era muito desinteressante até para o Sanfrecce. O gol que saiu no primeiro tempo foi aos nove minutos do primeiro tempo. Em um chute de Gakuto Notsuda, o goleiro Spoonley falhou, soltando a bola dentro da pequena área, e Yasuke Minagawa colocou para dentro. Nunca pareceu haver qualquer chance para o semiprofissional Auckland fazer nada além de tentativas esparsas de chegar ao campo de ataque.

Sem muita graça, a partida seguiu no segundo tempo até que saiu o segundo gol, novamente com colaboração do goleiro Spoonley. O brasileiro Douglas tocou para Shiotani, que chutou cruzado. O goleiro viu a bola passar entre as pernas, sem conseguir defender. Eram 2 a 0 com 25 minutos do segundo tempo e o jogo, ali, parecia definido.

Os três títulos nos últimos quatro anos mostram que localmente, o time é, no momento, a maior força. De 2012 até agora, só em 2014 não levou a taça, com o Gamba Osaka campeão. Antes, só o Kashima Antlers tinha estabelecido uma marca parecida, com três títulos consecutivos em 2007, 2008 e 2009. Atualmente, o Sanfrecce é o time mais vezes campeão japonês, com oito títulos, um à frente do Tokyo Verdy.

Com o período de glórias no Japão, o Sanfrecce tem o desafio de mostrar o quanto consegue ser competitivo em nível internacional. Na Liga dos Campeões da Ásia, por exemplo, o time ainda não conseguiu ter sucesso. Em 2013, como campeão japonês, foi lanterna no seu grupo, eliminado ainda na primeira fase. Em 2014, avançou às oitavas de final, mas caiu diante do Western Sydney Wanderers, que acabaria campeão.

Agora o Sanfrecce terá pela frente o Mazembe nas quartas de final do Mundial de Clubes, no domingo, às 8h30 (horário de Brasília). Quem avançar será o adversário do River Plate, na terça-feira, dia 16, às 8h30. No domingo também se enfrentam América do México e Guangzhou Evergrande, às 5h, jogo que define o adversário do Barcelona na quarta-feira, 17.