Villarreal e Valencia protagonizam o principal clássico nacional nas quartas de final da Liga Europa. Um objetivo claro, a dois clubes que vivem situações bastante distintas no Campeonato Espanhol. Enquanto o Submarino Amarelo tenta não se afundar na zona de rebaixamento, os Ches ascendem em busca da quarta vaga na Liga dos Campeões. O sucesso continental, ainda assim, pode ser um marco histórico a ambos. E os valencianos fizeram o momento preponderar na visita ao Estádio de la Cerámica. O empate parecia imutável, até que os avanços pela esquerda fizessem a diferença ao time de Marcelino García Toral. Com dois gols nos acréscimos do segundo tempo, o Valencia volta para casa com uma excelente vitória por 3 a 1, muito próximo das semifinais.

Durante o primeiro tempo, o placar se movimentou graças a dois pênaltis. Aos seis minutos, Gonçalo Guedes abriu o placar ao Valencia. Já aos 36, seria a vez de Santi Cazorla se redimir do erro no final de semana e vencer Neto para deixar tudo igual ao Villarreal. Porém, a persistência dos Ches valeu a vitória nos instantes finais. A partir de um erro de marcação do Submarino Amarelo, Daniel Wass anotou uma pintura aos 45 do segundo tempo, em lindo chute de primeira. Por fim, um contra-ataque fulminante nos acréscimos permitiu que Gonçalo Guedes desse números finais ao confronto, após cruzamento na medida de Denis Cheryshev.

A preocupação principal de ambos os clubes é o Campeonato Espanhol. Todavia, a situação claudicante deverá realmente ser a única prioridade do Villarreal, dependendo de uma virada complicadíssima no Mestalla para sobreviver. Melhor ao Valencia, que possui seu histórico respeitável na Liga Europa. Os Ches venceram duas vezes a versão primitiva do torneio, a chamada Taça das Cidades com Feiras, e também a então Copa da Uefa em 2003/04. Se a atual temporada não vinha cumprindo as expectativas criadas sobre o trabalho de Marcelino, há um novo motivo para brilhar os olhos. As semifinais já aparecem no horizonte.