A influência de Football Manager no futebol está ganhando cada vez mais evidência. São jogadores profissionais se revelando grandes fãs da franquia, equipes de ponta da Inglaterra utilizando o sistema do game para encontrar novos talentos e atletas recém-chegados a clubes conhecendo os novos colegas de trabalho através do jogo. Tudo isso merecia ser de alguma forma documentado. E foi. Bom, não essas histórias especificamente, mas o Football Manager em si ganhou um documentário, An Alternative Reality: The Football Manager Documentary, lançado nesta terça-feira, em salas de cinema no Reino Unido.

VEJA TAMBÉM: River fez um vídeo do clássico com o Boca digno de cinema

O longa-metragem tem como temas o impacto do Football Manager na cultura futebolística, o encanto que causa em seus jogadores e a influência dentro do esporte em si. Conta com a participação de personagens como os criadores do jogo, especialistas em futebol, alguns fãs ilustres e, como dá para ver no trailer abaixo, figuras importantes do esporte, como o ex-jogador do Manchester United e hoje treinador (recentemente demitido do Cardiff) Solskjaer.

Além da estreia do longa, será exibido também um curta-metragem sobre o Football Manager 2015, próxima edição da franquia. Haverá também uma sessão de perguntas e respostas com Miles Jacobson, diretor do jogo, e, como bônus, um espectador em cada sala de cinema que exibirá o filme terá a chance de se “imortalizar” e virar um atleta no game que chega às lojas em novembro.

Na próxima terça-feira, o documentário será exibido também em outros países, através principalmente de emissoras de televisão. Em países como Angola, Cabo Verde, Itália, Turquia e Chipre, o Fox Sports será o responsável pela transmissão, enquanto na França e em outros países francófonos o site do jornal L’Équipe leva a seus leitores a produção.

Infelizmente, ainda não há informações sobre uma possível exibição do filme no Brasil. A Sports Interactive, que produz o jogo, afirmou que quando anunciou o documentário prometeu trabalhar duro para que pessoas fora do Reino Unido pudessem assisti-lo. Aparentemente, as emissoras brasileiras não devem ter tido muito interesse em exibi-lo por aqui. Bom, basta torcer para que a repercussão do filme nas redes sociais faça uma ou outra TV pensar melhor na exibição do documentário.