O Athletic Bilbao é um time famoso por ter uma série de restrições na hora de contratar jogadores. Localizado no País Basco, a equipe só contrata jogadores que são bascos ou descendentes de bascos – uma flexibilização que ajudou o clube a ampliar o seu leque de jogadores. Ainda assim, manter essa política em uma liga tão competitiva como a espanhola e, ainda assim, ser um dos poucos times nunca rebaixados à segunda divisão, junto com Barcelona e Real Madrid, é um feito. Rafa Alkorta, ex-jogador e diretor do Athletic, comenta o quanto o clube precisa ser assertivo em suas contratações, porque não há margem de erro.

LEIA TAMBÉM: “A próxima fronteira à Premier League é ter a sua própria Netflix”, afirma ex-presidente do Palace

Aos 50 anos, Alkorta tem uma longa trajetória no futebol. Zagueiro, se formou no Athletic, em 1984, e jogou também pelo Real Madrid, de 1993 a 1997. Voltou ao Athletic em 1997 e encerrou a carreira em 2002. Defendeu a seleção da Espanha na base antes de chegar à seleção principal em 1990. Jogou pela Roja até 1998, com três Copas no currículo, 1990, 1994 e 1998. Jogou também a Eurocopa de 1996.

Depois de pendurar as chuteiras, já passou por outros cargos no futebol. Foi assistente do também ex-jogador Michel, outro ex-Real Madrid, em clubes como Olympique de Marseille e Olympiacos. Em dezembro de 2018, com a eleição de Aitor Elizegi como presidente do Athletic Bilbao, foi escolhido como diretor esportivo. Substituiu José María Amorrotu, há muitos anos no clube.

“As duas primeiras fases [ser jogador e auxiliar técnico] são muito úteis para fazer este trabalho. Acredito que é fechar o círculo perfeito. Quando me sento em frente a um jogador ou representante, eu sei qual é a história e também conheço a visão do treinador”, afirmou Alkorta, em entrevista ao jornal Marca.

O Athletic vive uma temporada muito complicada, lutando contra o rebaixamento. Nas últimas rodadas, porém, o time se recuperou. Desde dezembro, vem melhorando seus resultados e já não está na zona do rebaixamento, atualmente em 14º lugar, com 26 pontos. O Rayo Vallecano, 18º e primeiro time na zona do rebaixamento, tem 23. Alkorta foi perguntado como manter a tranquilidade do treinador para trabalhar nessa situação.

“O primeiro grande empurrão na campanha foi quando Aitor [Elizegi, presidente] disse que seu técnico seria Gaizka Garitano ‘sim ou sim’. Me pareceu um apoio muito importante para a comissão técnica”, disse o diretor técnico. “A temporada é longa e dura. O bom é que é assim para 12 ou 14 equipes. Do oitavo para baixo, ninguém pode andar desatento porque se perde uma partida volta a ficar cocm a orelha em pé. Começamos muito bem, mas algum dia tinha que vir um tropeço [na última semana, o time perdeu o clássico contra a Real Sociedad por 2 a 1, em casa]”.

O repórter do Marca pergunta, então, se os diretores também pensam em um dia gerirem times como Barcelona, Real Madrid ou Bayern, como é comum que aconteçam com jogadores ou mesmo treinadores. “Bom, eu penso em gerir o meu, que é tão importante como qualquer desses. Esses clubes podem errar quando contratam, mas nós não, porque o nosso mercado é muito pequeno”, explicou.

Uma das grandes riquezas do Athletic é sua categoria de base, porque em um time com tamanha restrição de contratações, é crucial formar bem os jogadores. E houve uma mudança desde que o novo presidente assumiu. Chegou Andoni Bombín, um profissional que estava trabalhando como responsável na formação da Federação de Futebol de Hainan, no sul da China, há dois anos e meio. A pergunta, então, é se a famosa base do Athletic vai mudar.

“Vai mudar, por isso trouxemos Andoni Bombín, grande profissional e de grande metodologia, além de uma pessoa fantástica e um amigo pessoal. Busco um grupo de confiança para que tenhamos a sensação de estarmos confortáveis, embora discutamos as coisas”, afirmou Alkorta.

O Athletic Bilbao joga contra o Barcelona neste domingo, às 17h45, em San Mamés. O Barcelona é o líder de La Liga e tem Lionel Messi, seu capitão e craque, ainda em dúvida se vai poder jogar – e mais do que isso, se a comissão técnica arriscará coloca-lo em campo, prestes a jogar a Champions League em menos de duas semanas.