Diego Souza foi o maior vencedor na goleada de um Brasil muito modificado sobre a Austrália

Jogador do Sport, Diego Souza foi o destaque com dois gol e boa atuação, em jogo que Tite testou muitos jogadores

Diego Souza foi o grande destaque da vitória do Brasil sobre a Austrália por 4 a 0, na manhã desta terça-feira em Melbourne. Ele marcou dois gols, o primeiro e o último, além de ter boa atuação na partida. Mesmo sem ser um centroavante, o jogador do Sport atuou como referência no ataque da Seleção e foi quem melhor aproveitou a chance em campo. E olha que foram muitos jogadores ganhando a primeira oportunidade desde que Tite assumiu o comando da equipe.

LEIA TAMBÉM: Futebol, acima daquele que se joga, é o que se sonha – e valeu, Gabriel Jesus, por nos lembrar

O estádio em Melbourne é de críquete, por isso ele é redondo e tinha algumas marcações do esporte, que é muito popular no país. Tite fez oito alterações no time que começou jogando contra a Argentina. Uma delas foi por necessidade, com Gabriel Jesus deixando o time, depois de se machucar e ser liberado, e a entrada de Diego Souza. Além dele, entraram Diego Alves no gol; Rafinha e Alex Sandro nas laterais; Rodrigo Caio na zaga; David Luiz como volante; e Giuliano e Douglas Costa nas pontas. Ficaram no time, portanto, Thiago Silva, Paulinho e Philippe Coutinho.

Além de Diego Souza, quem aproveitou bem a chance foi Giuliano. O meio-campista – que vestiu a camisa 10 nestes amistosos, que é de Neymar – atuou aberto pelos lados do campo no primeiro tempo (começou pela direita e depois foi para a esquerda) e no segundo tempo ficou mais pelo meio, onde teve mais destaque.

Rodrigo Caio e Thiago Silva foram bem na zaga, mas foi um jogo que foram pouco testados, por isso acaba sendo um teste menos interessante nesse sentido. David Luiz, como volante, mostrou até que pode ser uma opção, embora tenha sido uma atuação apenas segura – nesta posição ele certamente é mais seguro que na zaga. O goleiro Diego Alves, que sempre é muito falado na Seleção, não foi testado pelo ataque australiano e, assim, nem conseguiu mostrar serviço.

Vale o destaque para Rafinha e Alex Sandro. O segundo, especialmente. Habilidoso pela esquerda, o jogador é uma ótima opção a Marcelo e Filipe Luís – que, ao que tudo indica, serão os escolhidos por Tite para o grupo, se não caírem de nível. Rafinha é um jogador de experiência que também pode ser uma boa opção, especialmente quando Fagner não convence com suas atuações na reserva de Daniel Alves.

Douglas Costa foi a decepção na partida. Muito individualista, pareceu querer mostrar serviço a cada lance e errou mais que acertou. Não conseguiu mostrar a qualidade que o fez ser destaque no Bayern de Munique – aliás, nesta temporada ele não conseguiu ser um destaque tão grande assim. Pode perder espaço no time. Willian, por sua vez, entrou no segundo tempo e foi bem de novo, assim como já tinha sido contra a Argentina. É um jogador que mostra futebol para estar no grupo e ser sempre uma boa opção.

O jogo

Mal o árbitro apitou o início do jogo e no primeiro lance, gol do Brasil, com 13 segundos. A Austrália saiu com a bola, mas Giuliano tomou a bola interceptando um passe e tocou rapidamente para Diego Souza, que bateu cruzado de pé direito.

A Austrália fazia marcação pressão na saída de bola do Brasil, o que dificultava bastante para a Seleção. Mesmo assim, o time brasileiro, com muitos jogadores técnicos, conseguia sair da marcação, mas precisando ter muita atenção e movimentação. David Luiz, atuando como volante, vinha ajudar para trabalhar a bola.

Aos 28 minutos, David Luiz interceptou bem um passe e tocou para Diego Souza, mas o árbitro marcou impedimento. O jogador do Sport ainda deu uma cavadinha para marcar o gol, mas o lance já estava parado.

Mais um lance de perigo aconteceu aos 33 minutos. O Brasil chegou pela esquerda com Alex Sandro e tocou para Diego Souza, que abriu as pernas dando um leve toque. Paulinho não conseguiu finalizar bem. O desvio de leve de Diego Souza acabou dificultando em vez de ajudar.

No segundo tempo, o Brasil chegou ao segundo gol aos 16 minutos. Coutinho cobrou escanteio do lado direito do ataque, David Luiz cabeceou no travessão, a defesa australiana tentou afastar, mas Rodrigo Caio tocou de cabeça para o meio e Thiago Silva cabeceou para a rede.

As alterações começaram a ser feitas nos dois times. O autor do terceiro gol veio justamente do banco. Em uma jogada bem trabalhada, Paulinho entrou na área tabelando com Diego Souza, tocou de calcanhar e Taison marcou: 3 a 0. Por fim, quando o jogo já estava definido, veio mais um gol. Escanteio do lado esquerdo do ataque, Willian cobrou para a área e Diego Souza marcou o quarto, de cabeça.

Assim, o Brasil fecha essa dupla de amistosos na Austrália com uma derrota para a Argentina por 1 a 0, ainda que com boa atuação, e uma goleada sobre a Austrália. Tite teve a chance de ver mais jogadores atuando, sem a necessidade de vitória de um jogo realmente valendo. Diego Souza provavelmente foi quem mais ganhou pontos com o técnico como uma opção para o ataque, além de ser opção para outras posições.

O Brasil volta a campo contra o Equador, pelas Eliminatórias da Copa, no dia 31 de agosto, na Arena Grêmio, em Porto Alegre. No dia 5 de setembro, a Seleção enfrenta a Colômbia em Barranquilla.