O confronto com o pequeno Lleida, da terceira divisão espanhola, estava distante de ser o principal jogo do Atlético de Madrid na temporada. Ainda assim, a partida de ida pelas oitavas de final da Copa do Rei vinha atraindo mais holofotes do que poderia se supor quando o cruzamento foi determinado. E o motivo é bastante simples: o duelo marcaria as estreias de Diego Costa e Vitolo pelos colchoneros. De volta à Espanha após a conturbada saída do Chelsea, o sergipano precisou de pouco tempo para fazer a diferença. Mais exatamente de cinco minutos: neste curto intervalo, o centroavante saiu do banco e deixou o seu na vitória por 4 a 0 no Camp d’Esports.

Tanto Diego Costa quanto Vitolo começaram no banco de reservas. E o Atlético de Madrid começou a decidir o jogo sem eles. Durante o primeiro tempo, Diego Godín abriu o placar, pouco antes que Fernando Torres ampliasse aos rojiblancos. Em meados da segunda etapa é que Diego Simeone resolveu colocar os seus reforços. Demorou pouco para notar o resultado. Aos 24, o brasileiro iniciou o contra-ataque e apareceu na área para completar o cruzamento, balançando as redes novamente. Depois, até preocupou um pouco a sua torcida, ao sair para receber atendimento médico, com dores no joelho. Mas não passou de um susto, após sofrer um pisão de um adversário. Além disso, nos minutos restantes, o artilheiro ofereceu muita energia e combatividade. Coube a Antoine Griezmann, por fim, fechar a conta nos acréscimos, em cobrança de falta que desviou na barreira.

Se a falta de produtividade do ataque foi um dos maiores questionamentos sobre o Atleti durante a metade inicial da temporada, as chegadas de Vitolo e Diego Costa tendem a transformar este quadro. E o centroavante não poderia dar um sinal mais positivo em seu retorno. No final de semana, a exigência aumenta um bocado: os colchoneros voltam a campo no sábado, para encarar o Getafe pelo Campeonato Espanhol. Quem sabe, a oportunidade para que Diego já reapareça entre os titulares. Vontade nem vigor físico parecem faltar, depois de seis meses parado.


Os comentários estão desativados.