Não existe meio termo com Diego Costa. E isso se provou mais uma vez neste sábado, em sua reestreia no Campeonato Espanhol. Se a volta do centroavante ao Atlético de Madrid já tinha sido meteórica, saindo do banco e fazendo um tento na goleada sobre o Lleida na Copa do Rei, o sergipano não passou em branco no Estádio Metropolitano – pelo bem e pelo mal. Ele balançou as redes mais uma vez, anotando o gol que selou a vitória por 2 a 0 sobre o Getafe, mas também recebeu seu primeiro cartão vermelho neste novo momento da carreira. Segue sendo o Diego Costa em sua mais pura essência.

Ao lado de Antoine Griezmann no comando de ataque, Diego Costa foi titular neste sábado. E não demorou para que o Atleti tomasse a dianteira na partida. O primeiro gol saiu aos 18 minutos, a partir de um passe de Griezmann, aproveitando a passagem de Ángel Correa, que bateu com a parte de fora do pé para estufar as redes. A partida, todavia, era complicada aos colchoneros. Os cartões amarelos se distribuíam a esmo, em decisões nem sempre compreendidas do árbitro. Pouco antes do intervalo, a confusão descambou no Metropolitano, com jogadores de ambas as equipes se desentendendo. O próprio Diego Costa se estranhou com Juan Cala, zagueiro adversário, a caminho dos vestiários.

Embora dominasse a posse de bola, o Atlético não era tão agressivo. Conseguiu ampliar a diferença apenas aos 23. Foi quando Diego Costa apareceu na área para deixar o seu, completando o cruzamento de Sime Vrsaljko. O problema é que o sergipano logo cairia em desgraça. Seis minutos antes, ele deixou o braço no rosto Amath Ndiaye, recebendo o primeiro amarelo. Já na comemoração do gol, o centroavante saiu em disparada rumo às arquibancadas, subiu as escadas e caiu nos braços da torcida. A celebração, contudo, acabou rendendo o segundo amarelo e a consequente expulsão.

Que se discuta a decisão do árbitro na primeira advertência, talvez complacente demais, a segunda é de uma insensibilidade imensa – e por determinação dos dirigentes. Uma comemoração visceral como esta não é aceita por “retardar demais o jogo”. Pior para o atacante, que desfalcará o time no próximo compromisso do Atleti. Com um a mais, o Getafe ainda tentou pressionar no final da partida, mas o placar seguiu inalterado.

Com o gol, o Atlético de Madrid encurta as distâncias para o Barcelona, ao menos provisoriamente. O time chega aos 39 pontos, garantido na segunda colocação ao final da rodada. E pela primeira vez desde novembro, os colchoneros ganham uma partida no Espanhol por mais de um gol de diferença. Já o Getafe mantém sua campanha satisfatória no retorno à primeira divisão, no oitavo lugar, com 23 pontos.


Os comentários estão desativados.