A França é um dos países que mais forma jogadores do mundo. Não é só uma impressão. Segundo o CIES Football Observatory, apenas o Brasil exporta mais jogadores que a França. Relatório publicado em maio de 2019 mostra que o Brasil exportou 1.330 jogadores para 147 ligas cobertas. A França é de longe o país europeu com mais jogadores exportados: são 867. Na lista, é seguida por Argentina (820), Sérvia (458) e Inglaterra (431). Isso reforça o que disse o CEO da Ligue de Football Professionnel (LFP), Didier Quillot, que dirige as ligas profissionais da França, a Ligue 1 e Ligue 2.

Só que se a França é notadamente uma produtora da talentos, não é um grande destino deles. Segundo o mesmo relatório, os países que mais recebem jogadores são Inglaterra (728), Itália (636), Estados Unidos (575), Espanha (516) e Portugal (508). A França está nos 10 primeiros, mas apenas na nona posição, atrás também de Turquia (6º, 455), Alemanha (7º, 379) e Bélgica (8º, 333). Essa é a parte que os dirigentes franceses querem melhorar no país.

Didier Quillot deu entrevista ao AS, da Espanha, e comentou sobre a Ligue 1, a importância de clubes como o PSG, as estrelas e as ambições que a liga tem.

Ligue 1

“A liga francesa está progredindo. O objetivo é ser uma das cinco melhores ligas e alcançar La Liga e Premier League. Temos uma grande infraestrutura, estádios magníficos, nos beneficiamos claramente da Eurocopa 2016. Na nossa liga jogam grandes estrelas como Neymar e [Kylian] Mbappé no PSG e [Memphis] Depay no Lyon. Também temos estupendas categorias de base. A liga francesa é a liga dos talentos. Somos o país do mundo que mais talentos produz. Vamos crescer em volume de receitas da TV”, afirmou Quillot.

Talentos franceses

“Nosso objetivo é manter mais talentos na França. A seleção é campeã do mundo e precisamos manter esse talento em casa. Ou fazer com que voltem os que estão em outras ligas. Temos que aumentar o valor dos direitos de televisão, dos patrocínios, das receitas em dias de jogo. Temos que trabalhar juntos para crescer no modelo econômico. Conseguir que os talentos franceses permaneçam na França”, continuou.

Importância do PSG

“O PSG é muito importante, é o condutor do futebol francês. Mas não temos só o PSG. Temos que Lyon, que há quase 20 anos está jogando competições europeias, temos o Lille, o Nice, Saint-Étienne… Há novos investidores em alguns clubes: chineses, americanos, russos, ingleses… Isto demonstra que o futebol francês é atrativo não só pelo PSG, e sim por outros também”.

Neymar e Mbappé

“É muito importante mantermos Neymar e Mbappé. Também Depay no Lyon ou [Dario] Benedetto no Olympique de Marseille. Ou Icardi. Uma grande liga precisa de estrelas. O futebol é entretenimento e isso requer estrelas”.