Santa Fé atravessa o momento mais importante da história de seu futebol, diante da classificação do Colón à decisão da Copa Sul-Americana. E foi nesse clima que a cidade realizou seu principal clássico neste domingo. Não dava para esperar nada menor que um clima trepidante nas arquibancadas para o dérbi. No fim das contas, o outro lado da rivalidade pôde sorrir. O Unión garantiu a alegria da torcida que lotou o Estádio 15 de abril ao vencer os Sabaleros por 1 a 0, gol de Nicolás Mazzola.

A torcida do Unión parecia disposta a se agigantar diante dos rivais, num momento em que o orgulho ao redor do Colón certamente está enorme. O Estádio 15 de abril lotou os seus 26 mil lugares e contou com uma atmosfera pulsante. O recebimento guardou o máximo espetáculo, com direito a cantoria, trapos, papéis picados e bexigas. Pois o ambiente fantástico se manteve quando a bola rolou. E o estádio estremeceu no momento do gol decisivo.

O lance aconteceu aos dez minutos do segundo tempo. Após uma roubada de bola no campo de ataque, Mazzola recebeu o passe dentro da área e deu um leve toque para encobrir o goleiro Leonardo Burián. Provocou um terremoto em Santa Fe. O final do jogo ainda teria suas polêmicas. Enquanto o Colón reclamou de um gol anulado por impedimento, o Unión pediria um pênalti por toque de mão dentro da área. Nada que alterasse o placar.

As duas equipes fazem campanhas modestas neste início do Campeonato Argentino. O Unión venceu a segunda seguida e chegou aos 11 pontos, no 15° lugar. Já o Colón tem um ponto a menos, 17° colocado. Os Sabaleros se preparam ao confronto com o Independiente del Valle na decisão da Sul-Americana. Ainda assim, os alvirrubros podem reivindicar que, mesmo no ápice dos rivais, eles continuaram comemorando o clássico. No histórico, os unionistas levam a melhor: atualmente são 47 triunfos, contra 43 dos colonistas.