Na crise em diferentes âmbitos que atinge a Venezuela, a principal manchete dos últimos dias se concentra no apagão que deixa o país sem energia elétrica desde a última quinta-feira. A distribuição vem sendo restabelecida parcialmente, enquanto ocorrem protestos e outros entraves mais graves nas cidades venezuelanas. Há filas que se estendem por quarteirões para comprar mantimentos básicos, como água e combustíveis. Lojas estão fechadas e saques se tornaram comuns. Até mesmo a comunicação está comprometida. Já a situação mais crítica envolve os hospitais. Ao menos 15 pessoas faleceram por falta de diálise, enquanto a precariedade afeta outras centenas de pacientes no território nacional.

Os reflexos da crise energética se notam também no futebol. Os cortes de energia são frequentes desde antes do apagão. Na quarta-feira, durante o duelo entre Zamora e Nacional, houve uma interrupção breve por queda de luz. Nas arquibancadas, torcedores aproveitaram o momento para protestar contra o governo. O Estádio Rafael Agustín Tovar é um palco comum de manifestações nos últimos meses. Já na quinta-feira, o blecaute afetou o duelo entre Deportivo Lara e Emelec. O jogo terminou adiado para a tarde de sexta-feira, sob a ameaça de que os equatorianos poderiam deixar o país. Mesmo assim aconteceu, com o empate por 0 a 0 prevalecendo. E num estado ainda mais alheio, o Campeonato Venezuelano realizou sua rodada neste final de semana. Todavia, nem todos se submeteram à ocasião.

Em Maracaibo, Zulia e Caracas deveriam se enfrentar pela competição nacional. Os atletas entraram em campo, mas combinaram previamente que não iriam jogar. Ficaram parados, de braços cruzados, em forma de protesto contra o apagão. Passaram os 90 minutos rolando a bola de um lado para o outro, até que o apito final soasse. Não havia água ou luz nos vestiários. Obviamente, o embate aconteceu diante de arquibancadas praticamente vazias. Os jogos entre Deportivo Lara x Estudiantes de Caracas e Trujillanos x Estudiantes de Mérida já tinham sido adiados. Ainda assim, a bola rolou para quatro duelos da liga neste domingo, além de um no sábado e outro na sexta. Algumas equipes enfrentaram dificuldades logísticas, principalmente nas viagens.

Publicamente, alguns jogadores venezuelanos parabenizaram a postura de seus compatriotas em Maracaibo. “Exemplar a atitude de hoje tomada por Caracas e Zulia. Dos responsáveis por nosso futebol, não me surpreende. Sei quem são os que comandam e seus interesses, bem como a incapacidade para exercer responsabilidade. Bravo aos reais atores do futebol”, escreveu Oswaldo Vizcarrondo, veterano da seleção. Assim como ele, outros atletas do país foram às redes sociais declarar seu apoio.