Diante de todas as facilidades oferecidas pela Bolívia, Renan Lodi aproveitou muito bem a oportunidade

A lateral esquerda, historicamente, está entre as posições mais bem servidas da seleção brasileira. E o futuro do setor parece garantido desde a ascensão de Renan Lodi. Com o declínio de Marcelo e Filipe Luís, Alex Sandro era o grande candidato a tomar o posto. Porém, a qualidade inquestionável de Lodi o colocou no primeiro lugar da fila. O jovem vinha de boas atuações em amistosos. Já nesta sexta, teria toda a liberdade para ser um dos protagonistas do Brasil na goleada por 5 a 0 sobre a Bolívia.

O adversário, logicamente, facilitou a vida de Renan Lodi. A Bolívia se encolheu no campo de defesa e mesmo assim não conseguiu fechar as avenidas criadas. O lateral esquerdo deitou e rolou por ali, com muita liberdade para avançar à linha de fundo e apresentar a sua qualidade ofensiva. Lodi foi uma das principais fontes de jogadas ao longo da noite, muito participativo e acertando bastante seus lances. As combinações com Neymar eram explosivas, com o camisa 6 mais se assemelhando a um ponta e ajudando o camisa 10 a centralizar.

Por outro lado, o próprio esquema tático escolhido por Tite beneficiava Renan Lodi. O treinador optou por deixar Douglas Luiz no lado esquerdo do meio-campo, o que dava passe livre para o lateral esquerdo passar e se associar com Neymar. O equilíbrio da Seleção também dependia de uma postura mais controlada de Danilo pela direita, permanecendo no meio-campo e evitando uma exposição maior do Brasil. Mas não que a Bolívia exigisse qualquer preocupação, no que mais valeu pelo treino da formação.

A principal contribuição de Renan Lodi veio no segundo gol, em sua assistência para Roberto Firmino. Entretanto, o ponto alto ficou pela maneira como partiu para cima e criou jogadas, com direito até a chapéu na marcação. Melhor em campo, Neymar pareceu se aproveitar da associação com o camisa 6 por ali. Talvez não seja a postura para todos os jogos, mas promete-se letal contra adversários mais recuados – o que deve ser frequente ao longo das Eliminatórias.

Lodi permaneceu em campo até os 30 do segundo tempo, quando deu lugar a Alex Telles. Mais experiente, o novo jogador do Manchester United merece a observação, em especial pela maneira como pode criar chances pela qualidade para bater na bola. Mas o momento parece favorecer Renan Lodi, até pela maneira como corresponde nas chances que ganha. São três assistências em cinco partidas pela Seleção, três delas como titular. E, vale lembrar, o jovem já vinha de uma ótima aparição no amistoso contra a Coreia do Sul em novembro de 2019.

Uma das virtudes de Renan Lodi é como o lateral esquerdo não sente o peso das ocasiões. Não demorou a emplacar no Athletico Paranaense e também sentiu poucos problemas na adaptação ao Atlético de Madrid. É um jogador que pode evoluir e melhorar alguns aspectos, sobretudo defensivos. Mas, aos 22 anos, vê um enorme futuro pela frente. Que a Bolívia tenha ajudado bastante, a estreia de Lodi nas Eliminatórias agradou demais.