O Manaus Futebol Clube se estabelece como o time mais competitivo do Amazonas. O tricampeonato estadual recente ratifica o domínio local, em que o investimento dos novatos vale mais do que a tradição dos demais concorrentes. E essa ascensão rende frutos também além dos limites do estado. Após uma campanha até as semifinais da Copa Verde em 2018 e do acesso à Série C em 2019, agora o Gavião do Norte passa de fase na Copa do Brasil pela primeira vez. Foi uma classificação de peso, por sinal: os manauaras eliminaram o Coritiba, diante de 17 mil torcedores na Arena da Amazônia. O veteraníssimo Rossini garantiu a vitória por 1 a 0, enquanto o goleiro Jonathan ainda pegou um pênalti de Sassá.

O Manaus ainda está invicto na Copa do Brasil, mas tinha sido um desses tantos clubes menores prejudicados pelo regulamento esdrúxulo proposto pela CBF, que dá vantagem do empate aos grandes na primeira fase. Nas duas primeiras aparições no torneio, os amazonenses tiveram que lamentar a eliminação por conta de um empate no placar. O Gavião ficou no 2 a 2 com o CSA em 2018 e igualou por 1 a 1 com o Vila Nova em 2019. Desta vez, o Coritiba até parecia representar um desafio mais difícil, recém-promovido à Serie A. Contudo, os manauaras também crescem e faturaram a classificação diante de seu público na Arena.

Num primeiro tempo mais travado, o Manaus achou o gol da vitória durante os acréscimos. A partir de um cruzamento, os amazonenses brigaram pela bola na área. Janeudo ajeitou de cabeça e Rossini finalizou de primeira, com muita força. A bomba explodiu no travessão antes de entrar, sem qualquer chance ao goleiro Alex Muralha. Aos 34 anos, Rossini deixara sua vida de “Menino da Vila” para trás faz tempo e rodou por clubes das cinco regiões do país, contabilizando 13 estados diferentes. No entanto, encontrou-se no Gavião desde 2018 e, após comandar o acesso na Série D, agora também marca seu nome na Copa do Brasil.

Durante o segundo tempo, a torcida do Manaus precisou aguentar o sufoco. O Coritiba só necessitava do empate e ficou próximo de marcar o gol algumas vezes. A principal chance aconteceu aos nove minutos, em pênalti cobrado por Sassá. O goleiro Jonathan, que completava seu 100° jogo pelo clube, defendeu. William Matheus ainda acertou uma bola na trave para o Coxa, enquanto os paranaenses desperdiçaram outros lances. No final, com a expulsão de Panda, os amazonenses precisaram se segurar com um a menos, mas transformaram o alívio em comemoração pela inédita classificação.

“É difícil de mensurar a classificação nesse momento. Vencer um time com esse investimento todo, da primeira divisão. Nós estamos na Série C. É um time de sete anos e o Coritiba é uma equipe centenária. Não temos noção ainda do que fizemos. Temos a certeza de que trabalhamos bem”, declarou Welington Fajardo, técnico do Manaus, em entrevista ao Globo Esporte na saída do campo.

A premiação de R$650 mil é importante à sequência do trabalho do Manaus. Ainda assim, a classificação possui bem mais valor por aquilo que representa, mostrando como o Gavião possui capacidade para galgar degraus mais altos durante os próximos anos. É um bom cartão de visitas em uma temporada que terá a Série C pela frente. Desde 2014, um time do Amazonas não superava a primeira fase da Copa do Brasil. Já na próxima etapa, o desafio dos manauaras será o Brasil de Pelotas, que eliminou o Gama num intenso empate por 3 a 3, mesmo após duas expulsões durante o segundo tempo.