Diante das lacunas no elenco, Löw oferece as primeiras chances na seleção a Philipp Max e Uduokhai

A Alemanha atravessa um 2020 bem morno. Nas duas últimas Datas Fifa, a Mannschaft conquistou apenas uma vitória e empatou outros quatro jogos. Neste mês de novembro, a equipe encerra sua participação na fase de grupos da Liga das Nações. E terá novidades, ao menos para que Joachim Löw indique que está observando mais opções ao elenco. Felix Uduokhai e Philipp Max ganham a primeira chance na equipe nacional. São nomes para compor elenco, mas que mostram como há lacunas abertas.

A lateral esquerda já foi problema para a seleção alemã mesmo em momentos fortes, como aconteceu na Copa do Mundo de 2014. E o setor permanece sem um dono. Atualmente, Marcel Halstenberg é o principal candidato ao posto, embora venha atuando muitas vezes como zagueiro no RB Leipzig. Nico Schulz é outro que pode comparecer por ali, mas frequenta a reserva no Borussia Dortmund. Já recentemente, quem ganhou chance foi Robin Gosens, ao estourar com a Atalanta. Assim, a chance a Philipp Max se justifica bastante. O lateral permaneceu por anos como um dos melhores da posição na Bundesliga, mesmo atuando pelo Augsburg. Ganha sua primeira chance no time principal aos 27 anos, depois de ter ganhado a prata nos Jogos Olímpicos de 2016.

A consideração por Max aumenta depois de sua transferência ao PSV. E, também na Eredivisie, o lateral tem feito grande papel. O novo contratado contabiliza quatro assistências e um gol em seis aparições pelos Boeren na liga. É um jogador que contribui bastante por sua capacidade para bater na bola, inclusive nas cobranças de falta. Torna-se uma opção mais ofensiva que Halstenberg e, diante da falta de um nome indiscutível, candidato mesmo a um teste como titular. Seu caso se assemelha, em partes, ao reconhecimento a Gosens – agora, um concorrente. Além disso, com as opções, Halstenberg pode entrar na zaga numa formação com três atrás.

Já o chamado de Uduokhai tenta injetar sangue novo no miolo da defesa. Depois das aposentadorias compulsórias de Jérôme Boateng e Mats Hummels, Löw sofre para formar uma zaga confiável. Pelo bom futebol no Borussia Mönchengladbach, Matthias Ginter é o único que parece realmente pronto a ser titular. Robin Koch tem potencial, especialmente ganhando tarimba na Premier League com o Leeds. Ausente desta vez, Niklas Süle é outro com mais capacidade. De resto, um monte de peças pouco confiáveis, como Jonathan Tah, Antonio Rüdiger e Niklas Stark. Mais jovem que todos esses, Uduokhai pode amadurecer e evoluir.

O zagueiro possui seu histórico com as seleções de base. Embora tenha chegado à Bundesliga através do Wolfsburg, Uduokhai ganhou sequência mesmo no Augsburg. E, comprado em definitivo pelos bávaros nesta temporada, virou um dos protagonistas no grato início de campanha vivido pela equipe. Aos 23 anos, possui boa leitura de jogo e força no jogo aéreo. Pode ser uma combinação melhor entre força física e capacidade técnica, o que se perde nas demais escolhas da Mannschaft. Parece uma aposta bem mais válida que nomes perdidos no tempo, como os próprios Rüdiger e Tah.

Além desses, outro jogador que poderá estrear pela Alemanha na próxima Data Fifa é Oliver Baumann, goleiro que representa uma grande liderança ao Hoffenheim, mas dificilmente deve brigar com Bernd Leno e Kevin Trapp como terceira opção no setor. A convocação foi mais inchada desta vez, com 28 nomes. Parte dos jogadores não participará do amistoso contra a República Tcheca, na próxima quarta.  O elenco estará completo para os duelos decisivos contra Ucrânia e Espanha, que definirão a vida da equipe na Liga das Nações.

Abaixo, a lista completa: