Você está perdoado se não soubesse que haveria Eliminatórias da Eurocopa neste fim de semana. Com a final da Champions League, as fases decisivas da Liga das Nações, a Copa do Mundo feminina e a iminente Copa América, além do bom e velho Brasileirão, a terceira rodada de um torneio classificatório parece mesmo a última prioridade. Por isso, se você não viu nada do que rolou neste sábado, a gente traz um resumão com os principais destaques.

Turquia voando

Desde que Senol Günes, técnico daquela campanha na Copa do Mundo de 2002, reassumiu a seleção turca, somente vitórias. Derrotou Grécia e Uzbequistão, em amistosos, e faz campanha perfeita nas Eliminatórias da Eurocopa, com triunfos sobre Albânia, Moldávia e, neste sábado, a campeã do mundo França. Kaan Ayhan abriu o placar, aos 30 minutos, e Ünder ampliou, depois de vacilo de Pogba na frente da área. A França havia goleado Islândia e Moldávia nas suas primeiras rodadas.

A rápida Itália

Uma Itália agressiva e ofensiva é o desejo de Roberto Mancini, e bons sinais apareceram, neste sábado, contra a Grécia. A tetracampeã mundial arrasou a dona da casa, que nem fez uma Liga das Nações tão ruim assim (três vitórias, três derrotas, no grupo de Estônia, Hungria e Finlândia). Entre os 23 e os 33 minutos do primeiro tempo, marcou três vezes. Os dois primeiros gols, de Barella e Insigne foram resultados de rápidas transições entre o campo de defesa e de ataque. Bonucci ampliou de cabeça.

Sané embala na seleção

A seleção alemã venceu Belarus por 2 a 0, sem levar, muitos sustos, com mais um gol de Leroy Sané. Aos 12 minutos do primeiro tempo, ele recebeu o passe de Kimmich dentro da área, cortou a marcação e, de perna esquerda, marcou seu quarto gol em oito jogos desde a Copa do Mundo a que assistiu do sofá de casa porque não foi convocado por Joachim Löw. Marco Reus, atuando como o jogador mais avançado do time em um ataque  móvel com Sané e Gnabry marcou o segundo, seu primeiro tempo pelo time nacional em um ano.

Lukaku tira a zica

Lukaku não terminou bem a temporada pelo Manchester United. Seu último gol havia sido em seis de março, contra o Paris Saint-Germain, ainda pelas oitavas de final da Champions League. Passou oito jogos em branco até pegar o rebote do chute de Mertens na trave e fechar a vitória da Bélgica por 3 a 0 sobre o Cazaquistão.

Maior goleada da história da Rússia 

Sempre uma delícia enfrentar San Marino. Mas, para ser justo, fazia tempo que pequeno país não levava uma goleada tão sonora quanto o 9 a 0, deste sábado, contra a Rússia. Dois anos, desde outubro de 2017, quando levou 8 a 0 da Noruega. Desde então, perdeu todos os jogos, mas levando no máximo cinco gols. E foi a maior goleada da Rússia desde a dissolução da União Soviética. Dzyuba marcou quatro vezes. Smolov, duas vezes. Kudryashov deixou o seu, e Michele Cevoli anotou dois gols. Só que contras.

Isso que é confiança 

Campeão europeu e capitão da seleção escocesa, Andy Robertson pegou a bola pela esquerda da entrada da área, aos 16 minutos da partida contra o Chipre, e soltou a perna para abrir o placar com um golaço. Ioannis Kousoulos, de cabeça, empatou, a três minutos no fim, mas, logo depois, Oliver Burke fez 2 a 1 para a Escócia, que venceu na estreia do novo técnico Steve Clarke.

Abençoado seja o golfe

Parece que jogar golfe, passatempo favorito de Gareth Bale, deixa os braços muito fortes. Se liga nesta cobrança de lateral do jogador do Real Madrid, que, defendendo a seleção galesa, perdeu por 2 a 1 para a Croácia.

 

Boa, Estônia

A Irlanda do Norte não é de fazer muitos gols, então parabéns para a Estônia, que conseguiu levar quatro em duas partidas nestas Eliminatórias da Eurocopa. Inclusive, dois em quatro minutos, neste sábado, deixando escapar a vantagem de 1 a 0 que cultivava até os 32 minutos do segundo tempo. Perdeu por 2 a 1.

.