Números nem sempre devem ser levados a sério no futebol. Mas, no caso do Deportivo La Coruña x Real Sociedad deste sábado, se confirmaram. Os galegos têm um rendimento em casa pífio para quem tem aspirações européias, com quatro vitórias em 13 jogos. Nem essa estatística tirava o favoritismo do Depor, pois a Real Sociedad tem sido uma visita bastante cordial, com quatro pontos em 12 partidas. Pior, os donostiarras vinham de quatro derrotas consecutivas e apenas uma vitória em 2006. Nesse confronto de números negativos, os bascos levaram a melhor. Mas o mal desempenho sugerido pela matemática prevaleceu dos dois lados.

A partida foi muito fraca tecnicamente, com duas equipes apáticas e com um temor de se soltar injustificável. Afinal, os coruñeses precisavam da vitória para seguir na corrida por um lugar na Copa Uefa e os donostiarras estavam apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento. É verdade que Joaquín Caparrós teve de contornar problemas de contusão para escalar o Deportivo, mas Gonzalo Arconada até deu esperanças de futebol ofensivo ao escalar a Real Sociedad com três atacantes: Nihat, Skoubo e Mark González.

Mas o problema era mais profundo. O Deportivo foi um pouco mais ativo no primeiro tempo e tentou ser o protagonista da partida. No entanto, não era convincente nesse papel e acabou envolvido pela falta de iniciativa do time basco.

O gol da vitória da Real Sociedad saiu em um lance isolado. Garitano aproveitou um cruzamento para, de cabeça, colocar os donostiarras em vantagem. O gol tirou ainda mais a confiança do time da casa, que passou a apostar em ataque nada planejados e em cruzamentos precipitados. Com uma defesa bem armada e um Nihat perigoso nos contra-ataques, os bascos poderiam até ter aumentado o placar no final da partida.

Com este resultado, a Real Sociedad foi a 28 pontos, na 13ª posição. O Deportivo La Coruña permanece com 40 e tem de torcer contra o Atlético de Madri para manter a oitava colocação no Campeonato Espanhol.