Depois de recusar Barça em janeiro, Xavi ainda acha que não é hora de voltar ao Camp Nou: “Há muitas questões extracampo”

Após demitir Ernesto Valverde em janeiro deste ano, o Barcelona, em sua busca por um substituto, foi até o Catar oferecer o cargo a Xavi, ídolo do clube, figura icônica da maior era barcelonista e que dá seus primeiros passos como treinador no Al-Sadd. Para a surpresa da diretoria, o ex-jogador disse não à proposta – e, vendo o contexto em que estava o Barça, a recusa fez todo sentido. Agora, ao fim da temporada 2019/20, o clube tampouco parece um ambiente estável para um técnico que está apenas começando sua carreira, e Xavi reforça que não sente ser o momento de voltar para casa.

[foo_related_posts]

Em entrevista ao jornal El País, Xavi destacou as questões extracampo, que envolvem disputas políticas e até mesmo cabos de guerra entre dirigentes e jogadores, como um dos motivos para não pensar em assumir o banco do Barça.

“Há ruído externo, questões extracampo… Não acho que seja o momento de voltar. Em janeiro, eu lhes disse que não era a hora, e agora eles não me contataram. Como culé, desejo-lhes o melhor”, explicou.

Xavi foi além e deu respaldo ao atual comandante do Barcelona, Quique Setién, alvo de muitas críticas desde que assumiu o clube por sua incapacidade de imprimir um estilo de jogo eficaz, constante e que de fato remonte às melhores épocas.

“Eu respeito muito Quique Setién, ele tem um manual de jogo muito semelhante ao que o Barça precisa, que é o Cruyffismo. Outra coisa é que os resultados o acompanhem”, deu a receita.

Xavi garante que pretende, sim, um dia assumir o posto de treinador no Barcelona, mas quer também estar mais devidamente preparado para o desafio. Com 40 anos, apenas um desses como treinador, a falta de pressa faz todo sentido.

“Estou encantado em continuar ganhando experiência, me desafiando, e, claro, seria um privilégio para mim treinar um dia o Barça, com uma comissão dos sonhos, com Jordi Cruyff, Carles Puyol e alguns jogadores atuais. Gostaria de fazer uma equipe com pessoas válidas, que conheçam a casa, pessoas de minha confiança.”

Um tema corrente dos últimos tempos no Barcelona é a questão contratual de Messi, cujo vínculo atual vai até o fim da temporada 2020/21. Josep Maria Bartomeu, presidente do Barça, garante que o argentino se aposentará no clube, embora não haja nenhum acordo de momento que garanta isso. Para Xavi, com um jogador como o craque de Rosário, é preciso fazer de tudo para deixá-lo feliz em permanecer.

“O Messi precisa do Barça, e o Barça precisa do Messi. Eles têm que fazê-lo feliz, porque com Leo Messi contente, ganharão mais títulos. Mantenho uma grande amizade com ele, o respeito muito. É muito competitivo, sempre quer ganhar, e faz dez anos que é o melhor jogador do mundo. Espero que possamos voltar a nos encontrarmos em nível profissional. Ter o melhor jogador da história em sua equipe é ter um ás para ganhar.”

Sem a melhor das temporadas e muito menos um time com identidade definida, Messi é mais do que nunca este ás na reta final de Champions League para o Barcelona. A equipe enfrenta o Bayern de Munique nesta sexta-feira (14), pelas quartas de final, em jogo único. Em caso de vitória, enfrentaria na semifinal o vencedor do confronto entre Manchester City e Lyon.