Romelu Lukaku atravessou a janela de transferências como um dos nomes mais cortejados do mercado. O centroavante não tinha clima suficiente para continuar no Manchester United e não escondeu o desejo de sair. Após defender quatro clubes diferentes da Premier League, a Serie A surgia como um destino atrativo ao seu futebol. E, disputado pelos dois principais concorrentes ao Scudetto nesta temporada, se transformou na primeira vitória da Internazionale de Antonio Conte em cima da Juventus de Maurizio Sarri. O belga foi oficialmente anunciado como novo reforço dos nerazzurri nesta quinta-feira.

Aos 26 anos, a qualidade de Lukaku é inegável. O centroavante combina vários predicados para ser um dos grandes de sua posição na atualidade e sua história na Premier League também o endossa. Durante as últimas sete edições do campeonato, registrou dois dígitos de gols, mesmo quando vinha contestado. O belga combina um porte físico excepcional, muita presença de área e uma ótima precisão nas finalizações. Porém, em um momento tão incerto do Manchester United, não conseguiu contribuir decisivamente à retomada do clube.

Mal aproveitado por José Mourinho, Lukaku naufragou junto com a bagunça dos Red Devils. Já sob as ordens de Ole Gunnar Solskjaer, pareceu não se adaptar totalmente ao sistema e se tornou uma opção secundária, diante da preferência por Marcus Rashford. Subaproveitado, o centroavante preferiu mudar de ares e, desde o fim da temporada passada, vinha flertando com outros clubes mais interessados em seu futebol. A Itália surge como um bom destino para recuperar a dominância do seu jogo.

A Inter desembolsou €65 milhões para contar com Lukaku pelas próximas cinco temporadas e os bônus podem elevar o preço a €75 milhões, segundo a imprensa italiana. É um valor alto, mas até aceitável pelo leilão na transferência e também pelo investimento superior do Manchester United. Há dois anos, os ingleses pagaram €85 milhões para tirá-lo do Everton. Há uma questão central sobre a busca do belga por seu melhor futebol. Contudo, se sugere uma aposta bastante segura, entre as possibilidades que os interistas tinham em vista. Diante da iminente saída de Mauro Icardi, encontram uma excelente reposição.

A disputa entre Inter e Juventus pela contratação de Lukaku aumenta as expectativas sobre o centroavante. Por um momento, o negócio pareceu pender aos juventinos, mas os trâmites envolvendo também Paulo Dybala acabaram por esfriar o negócio. Melhor aos nerazzurri, que vinham namorando com o belga durante todo o verão e, depois de algumas recusas, entraram em acordo com o United. Os interistas oferecerão um salário polpudo dentro dos padrões da Serie A para contar com o artilheiro. A imprensa local fala em €9 milhões anuais, incluindo bônus. Agora, o novo reforço terá que provar também o investimento dentro de campo.

O mais feliz nesta história toda, no fim das contas, é Antonio Conte. O treinador tentou levar Lukaku de volta ao Chelsea em seus tempos à frente do clube e agora completa o seu sonho de consumo. Buscando um novo centroavante, o italiano não escondeu sua insatisfação pela letargia da diretoria no mercado. Às vésperas do início da Serie A, ganha um protagonista para encabeçar o seu ataque e funcionar bem no estilo de jogo proposto. Será um homem de referência para segurar a bola na frente e potencializar os avanços verticais priorizados pelo treinador. Recheia ainda mais um elenco que se encorpou ao longo da janela.

Anteriormente, a Inter havia concentrado seus esforços em jogadores promissores. Diego Godín era a exceção em meio a investimentos voltados a jovens, sobretudo no meio-campo, que incluíam Nicolò Barella, Stefano Sensi e Matteo Politano como destaques. Lukaku demonstra a ambição do clube e do próprio treinador em tornar-se um rival à altura da Juventus, na luta para interromper a sequência de títulos dos rivais. E a situação pode se tornar ainda mais interessante, diante dos rumores de que Mauro Icardi pode ser envolvido em uma troca que levaria Paulo Dybala a Milão.

Talvez o maior entrave sobre Lukaku seja mesmo as suas condições físicas. Após o fortalecimento realizado visando a Copa do Mundo, o centroavante passou a conviver com as críticas de que estava pesado demais para as arrancadas. O papel da Inter também será alinhar o melhor cenário ao seu novo centroavante, até porque a velocidade é algo bastante necessário na cartilha de Conte. Ainda assim, parece um problema menor aos ganhos que o belga pode proporcionar. A comoção da torcida interista em sua chegada demonstra bem a estatura que tende a receber nesta nova etapa de sua carreira.

Seja pela aposta ou pela funcionalidade, Lukaku experimentará um protagonismo inédito em sua carreira. Vai ser “o cara” dessa nova Internazionale, sem precisar dividir os holofotes com outras estrelas, enquanto também terá o time adaptado às suas virtudes. As condições são muito favoráveis para que vingue, sob as ordens de um ótimo treinador e possivelmente encaixado em uma equipe mais organizada. Será, inclusive, o momento crucial para o belga apontar o real patamar de sua trajetória. Precisa fazer acontecer e, diante da oportunidade, reafirmar sua fome de gols parece até simples.