A J-League anunciou nesta terça-feira que adiou todas as suas competições como precaução em relação ao surto de coronavírus, o COVID-19. Todas as 94 partidas que estavam marcadas até o dia 15 de março foram adiadas, o que inclui da segunda até a quarta rodada tanto da J1 quanto da J2, as duas primeiras divisões do futebol do país. A decisão afeta também as duas primeiras rodadas da terceira divisão, além de duas rodadas da Copa da Liga do país.

“Um painel de especialistas médicos do governo declarou na noite de segunda-feira que as próximas uma a duas semanas serão um momento crítico em termos de se o vírus se espalha rapidamente ou pode ser contido”, diz um comunicado da J-League informado sobre o adiamento das rodadas. “Para cooperar tanto quando podemos para conter o vírus e prevenir que ele se espalhe, a J-League está preparando para continuar seu calendário de jogos na segunda metade de março”.

“O processo de chegar a esta decisão foi difícil”, afirmou o presidente da J-League, Mitsuru Murai, em uma coletiva de imprensa na sede da Federação Japonesa de Futebol (JFA), na noite de terça-feira. A J-League começou no fim de semana, dias 22 e 23 de fevereiro.

“Depois dos jogos deste fim de semana, nós tivemos uma reunião com o comitê executivo e discutimos as opiniões de todas partes envolvidas, incluindo torcedores e jogadores. Havia muitas preocupações… Como nas áreas de imprensa, de refeitórios e como os mascotes devem ser administrados”, continuou Murai. “Não podemos manter uma competição se os jogadores ou funcionários forem infectados. Nós queremos levar a sério as recomendações dos especialistas”.

É a primeira vez desde 2011 que a J-League adia rodadas dos seus jogos. Naquele ano, as rodadas foram adiadas por causa de um grande terremoto que assolou o país. Foram cinco rodadas da J1 e seis da J2 e que forçaram a Copa do Japão a ter o formato alterado para adequar o calendário.

Murai não descartou que os adiamentos podem ir além do dia 15 de março, mas disse que os jogos com portões fechados são a última opção. “Como uma organização esportiva profissional, nós somos apoiados por torcedores. Nós existimos não apenas por uma competição, mas para entregar isso aos torcedores”, continuou Murai.

“Nós preferiríamos evitar o tanto quanto possível jogos de portões fechados. Mesmo se nós tivemos que ajustar o calendário ou mudar o formato da competição, nós queremos jogar com torcedores”, disse ainda o dirigente. “Muitos dirigentes de futebol estarão focados nas Olimpíadas, incluindo a imprensa. Nós também queremos fazer a competição o mais justa possível para os clubes”.

Os jogos da Champions League da Ásia também foram alterados, com os clubes chineses jogando as partidas de ida fora de casa, para adiar o máximo possível o jogo no território chinês. O pré-olímpico feminino de futebol da Ásia, que seria em Wuhan, cidade que foi o epicentro do coronavírus, foi transferido para a Austrália.

A Coreia do Sul também adiou rodadas da K-League, a liga de futebol profissional do país. Originalmente marcada para começar no dia 29 de fevereiro. Ainda não há uma nova data para começar. O país registra 763 casos confirmados do COVID-19, com sete mortos.

O mesmo aconteceu com a Super League da China, que deveria começar no fim de semana passado, mas também foi adiado, inicialmente para abril. Pode ser que o adiamento tenha que ser até o meio do ano. A Federação Chinesa de Futebol também já anunciou que a China irá levar os dois próximos jogos das Eliminatórias da Copa, contra Guam e Maldivas, para a Tailândia. A China já teve 77.150 casos, com 2.592 mortes.