A Série A voltará a ter um time de Alagoas entre os seus representantes. O CSA garantiu o acesso depois de uma goleada por 4 a 0 sobre o Juventude, em Caxias do Sul. Um momento histórico, depois de 32 anos de ausência de times alagoanos na Série A. A última vez com um time do estado nordestino na primeira divisão foi em 1986, quando o próprio CSA esteve presente. Em 1987, o time jogou o Módulo Amarelo do Campeonato Brasileiro – aquele que acabaria com o título do Sport, na final com o Guarani. Assim, o CSA se junta a Fortaleza, campeão da Série B, e Goiás, que já tinha garantido acesso. Quem também se uniu à turma foi o Avaí, que empatou com a Ponte Preta por 0 a 0.

LEIA TAMBÉM: Pela terceira vez, o Bahia homenageia o Novembro Negro, com os nomes de antigos ídolos do clube

Serão, portanto, dois novos nordestinos na Série A. O Avaí fortalece Santa Catarina, que ainda está ameaçado com a Chapecoense na primeira divisão. O Goiás leva novamente o Centro-Oeste à primeira divisão. A primeira divisão fica um pouco mais nacional. Ainda não sabemos quem será rebaixado da Série A, exceto pelo Paraná, então ainda não sabemos qual será a representatividade em termos de regiões. De qualquer forma, será um retorno de Alagoas e de Goiás, dois estados que estão sem times na Série A no momento.

A subida do CSA é fulminante. O time subiu três divisões em três anos. Jogou a Série D em 2016 e subiu; jogou a Série C em 2017 e subiu, inclusive como campeão; jogou a Série B em 2018 e também subiu. É uma ascensão meteórica. Três anos mágicos para o time alagoano chegar à primeira divisão de maneira impressionante. Tudo isso com a torcida de Marta, a maior jogadora de futebol de todos os tempos, que foi de Maceió para Caxias do Sul apoiar o seu time em busca do acesso.

Dois times azuis subindo. O Avaí conseguiu garantir o acesso em casa, com um empate por 0 a 0 com a Ponte Preta que foi bastante sofrido. A Macaca teve uma chance de gol aos 50 minutos do segundo tempo e, com o gol, o time de Campinas conseguiria o acesso. Não conseguiu, a vitória não veio e a Ponte ficou no quase, em quinto lugar, atrás do Goiás nos critérios de desempate – duas vitórias a menos que os goianos.

Alagoas estará na Série A em 2019. Teremos jogos com os maiores times do país no estádio Rei Pelé, em Maceió. Teremos um estado representado depois de tanto tempo. Que o CSA aprenda um pouco com exemplos como o dos seus companheiros de acesso, o Avaí, um time mais acostumado na história recente a subir para a Série A e sabe da dificuldade que é manter-se na primeira divisão, com o abismo financeiro que os times vindos da Série B sentem.

Santa Catarina é um estado fortalecido nos últimos anos e chegou a ter três times na Série A. O Joinville despencou para a Série D, mas Chapecoense segue na Série A e o Figueirense é um time que briga por acesso, ainda que em 2018 não tenha conseguido. Subir é um passo enorme, o maior que um time pode dar desde a Série D. É preciso saber o que fazer com o dinheiro que virá, de forma inédita; será preciso também saber que o primeiro objetivo tem que ser não cair. E a briga, como o Paraná mostra, é duríssima.

O Brasileirão precisa de mais Brasil. Ainda é um campeonato muito centrado em Sul e Sudeste, os estados mais ricos. Os nordestinos fazem muita força para ficarem na primeira divisão. Times do norte há tempos não conseguem chegar lá. O Centro Oeste estava sem representante. É saudável ao futebol que o Brasil seja mais representado na sua primeira divisão. E que a segunda divisão seja também cada vez mais forte.