Uma geração de torcedores grenás nunca soube o que era ganhar o Dérbi de Turim. Na última vez que o Torino havia vencido a Juventus, Abedi Pelé era a referência do time. Gianluca Pessotto ainda defendia o Toro, antes de viver uma era nos rivais. Del Piero tinha apenas 20 anos, Antonio Conte nem sonhava em ser técnico e Roberto Baggio seguia como um dos melhores do mundo. O atacante Ruggiero Rizzitelli fez os dois gols naquele triunfo por 2 a 1 no Delle Alpi, em abril de 1995. E o Torino precisou esperar mais de 20 anos para reviver a situação. Para os seus fiéis mais jovens sentirem pela primeira vez.

Pirlo, o mais experiente em campo, ainda era promessa nas categorias de base há 20 anos. Marco Benassi, titular no meio-campo do Torino, sequer havia completado o seu primeiro aniversário. Todos eles viveram a história neste domingo. Pois a Juventus estava preparada, sim, para escrevê-la no Estádio Olímpico. Bastava uma vitória, combinada com a derrota da Lazio, que os bianconeri comemorariam o tetracampeonato da Serie A. Precisaram aplaudir os rivais, em uma notável virada por 2 a 1. Para finalmente encerrar o maior jejum da história do clássico.

Pirlo bem que tentou dar a taça de maneira antecipada para a Juve, que entrou em campo com um time misto – Tevez, por exemplo, só entrou em campo no segundo tempo. O maestro marcou um gol fabuloso em cobrança de falta e quase fez o segundo na etapa complementar, quando a bola caprichosamente resvalou na trave. Não era o dia da Juventus. Afinal, o Torino conseguiu encarar os bianconeri de igual durante a maior parte do tempo. Acabaram premiados com a vitória de imenso significado.

O empate saiu ainda no primeiro tempo. Mattia Darmian dominou a bola com enorme liberdade e, aproveitando um buraco no centro da área, tirou do alcance de Storari. Já a virada veio minutos depois da bola na trave de Pirlo. Desta vez foi Darmian quem serviu Fabio Quagliarella. Em posição legal, o veterano teve pouco trabalho para marcar. E o dérbi seguiu em nível bastante intenso, com chances dos dois lados. Quagliarella teve um gol anulado acertadamente, enquanto os rivais acertaram a trave por duas vezes e forçaram excelentes defesas do goleiro Padelli, herói nos minutos finais.

A notícia triste ficou para os incidentes fora de campo. Na chegada ao estádio, o ônibus da Juventus levou pedradas, enquanto as torcidas brigaram nas ruas de Turim. Já dentro do estádio, uma bomba lançada pelos visitantes estourou no setor da torcida do Torino nas arquibancadas enquanto a bola rolava. Dez pessoas ficaram feridas pelo artefato, enquanto uma acabou encaminhada ao hospital em estado grave.

No fim das contas, o título juventino pode esperar mais um pouquinho. Com o empate da Lazio, a vantagem cai para 14 pontos. Mas uma vitória sobre a Fiorentina na quarta-feira, combinada com um tropeço dos biancocelesti diante do Parma, já vale para dar o Scudetto. Pelos próximos dias, no entanto, a cidade é do Torino. Um gostinho que sentiram por tantas vezes na grande história do clube, mas que estava em falta por um bom tempo.

Abaixo, os gols da vitória de 20 anos atrás:


Os comentários estão desativados.