O Azerbaijão ainda poderia se classificar, mas a festa já estava preparada em Pristina. Kosovo dependia apenas de um empate para confirmar o acesso à terceira divisão da Liga das Nações e a vaga na repescagem da Euro 2020. Pois o resultado foi ainda melhor que a encomenda, com a inapelável goleada por 4 a 0, que desencadeou a festa na capital kosovar. O jogo nem bem acabou e os fogos de artifício começaram a estourar nos arredores do estádio. Os torcedores logo saíram às ruas para comemorar, com o elenco empolgado pelo feito histórico, que pode abrir portas à seleção novata. E uma boa notícia aos atletas veio do governo: como prêmio, ganharão €500 mil.

O incentivo governamental tem sua razão. Kosovo não é um país reconhecido internacionalmente pela ONU, além de outras instituições. Por isso mesmo, o futebol pode servir de ferramenta para a integração internacional da nação, em meio de sua busca pela independência da Sérvia. O sucesso da seleção indica a relevância dos kosovares no cenário local, além da chance de enfrentar os principais países. É um elemento de diplomacia e de afirmação nacional que auxilia o poder. Não à toa, o sucesso do time foi um dos principais assuntos da Data Fifa e levou o nome da nação a manchetes de diferentes países.

Os jogadores também não reclamam do prêmio. Considerando a carreira modesta de boa parte do elenco, militando em ligas secundárias da Europa, o acréscimo motiva o empenho do time, composto essencialmente por jovens. Há bola para render mais, até pela chance de ouro na Euro 2020. Caso não se garantam via eliminatórias, as quatro seleções campeãs de seus grupos na quarta divisão se enfrentaram em um mini-torneio, a ser realizado no primeiro semestre de 2020. Kosovo poderá pegar Geórgia, Belarus e Macedônia, em semifinais e final, ambas em jogo único. Portas abertas para os futebolistas lucrarem um pouco mais.