O zagueiro Pepe está de volta ao Porto nesta janela de transferências. Aos 35 anos, o jogador volta ao clube que defendeu há mais de 11 anos. Nascido em Maceió, Pepe estava no Besiktas desde julho de 2017, mas rescindiu por causa das dívidas do clube turco. Assinou contrato até 2021 com os Dragões para fortalecer um setor que vem sendo destaque com outros brasileiros: Felipe, ex-Corinthians, e Éder Militão, ex-São Paulo.

LEIA TAMBÉM: Nos cinco anos sem a lenda, assista ao filme “Eusébio, a Pantera Negra”, de 1973

 

O presidente do Porto, Pinto da Costa, foi só elogios à postura do jogador. “Estou feliz, porque é uma mais-valia para o nosso plantel. É um jogador indiscutivelmente titular da seleção nacional, da equipa campeã da Europa. É um campeão europeu. Era uma vontade do nosso treinador que ingressasse no FC Porto. A mim sensibilizou-me imenso o entusiasmo em vir para o FC Porto, de tudo o que abdicou. Assisti à pressão de dois grandes clubes europeus onde teria contrato cinco ou seis vezes maior. A sua determinação foi sempre que queria jogar no FC Porto, disse ao empresário que este era o seu clube”, afirmou o dirigente, em entrevista à TV do clube.

“Felizmente tem uma situação que não o obriga a ser escravo do dinheiro. Vê-se que está feliz e nós estamos igualmente felizes. Tem uma carreira extraordinária. Sentir o carinho que tem pelo clube de onde saiu há 11 anos sensibiliza-me muito. Tenho a certeza que vai ser muito útil, vai ser um exemplo para os jovens centrais que temos nas nossas equipas. Foi uma boa jogada de todos que o Pepe regressasse ao seu clube do coração”, completou Pinto da Costa.

O brasileiro naturalizado português chegou ao clube pela primeira vez em 2004, naquele time que era campeão europeu. Defendeu os Dragões até 2007, conquistando o Mundial de 2004 (Intercontinental), dois Campeonatos Portugueses, uma Copa de Portugal e duas Supercopas de Portugal. Deixou o clube em 2007 para defender o Real Madrid, em uma transação de € 30 milhões, um valor alto para a época.

Campeão europeu por Portugal na Eurocopa de 2016, Pepe foi um dos destaques daquele time. Com a chegada do jogador da seleção portuguesa, Militão poderá atuar mais vezes como lateral direito e formar uma linha defensiva inteiramente brasileira, com Militão, Pepe, Felipe e Alex Telles. E compartilhará o vestiário com Iker Casillas, seu companheiro durante muito tempo no Real Madrid.

É um jogador experiente e tem tudo para ter bom desempenho atuando pelo seu antigo clube. Certamente reforça mais as fileiras do Porto na tentativa de ser ainda mais competitivo e brigar pelo título português e seguir na disputa da Champions League. “Bastante emocionado. É um privilégio voltar a vestir esta camisa. É um clube que me deu tudo, que me projetou para o futebol mundial. Feliz por voltar, espero poder dar o meu melhor como sempre fiz por este clube e poder honrar esta camisa, o que para mim significa muito”, disse o jogador em seu retorno.

Perguntado sobre as razões de escolher voltar ao clube, ele citou o lado emocional. “Foi do coração. Voltar a casa, ao clube que me projetou para o futebol, que me formou como jogador, como homem também… Sou muito grato ao Porto por tudo o que me deu. Também ao Marítimo, mas o Porto projetou-me para o futebol mundial e hoje sou reconhecido pelos anos que passei cá, por isso estou bastante feliz”, disse Pepe.

“Fui muito bem recebido, como da primeira vez que cá cheguei. O Porto é uma família, esta cultura que há no Porto deixa-me muito feliz porque não mudou muito. O Porto continua a ser especial e por isso é um privilégio poder voltar a vestir esta camisa”, continuou o jogador. “Vim aqui para competir. Deixei muito claro ao presidente e ao treinador que quero competir. Quero fazer parte desta família, deste grupo espetacular, dar o meu contributo com o meu trabalho. O que posso prometer é ser eu próprio, treinar a 100 por cento e dar o meu melhor para poder honrar a camisa”.

Em suas primeiras palavras, ele explicou qual será o número de camisa que vai utilizar. “Vou usar o número 33. Gosto do número 3, tive nas minhas épocas aqui o número 3 e marcou-me muito. No Real Madrid também fui o 3. Aqui pude escolher, o número 3 está muito bem entregue ao Militão e eu fico com o 33”, explicou o zagueiro.


Os comentários estão desativados.