Karim Benzema mereceu muitos dos questionamentos que recebeu nos últimos anos de Real Madrid. Não eram somente os gols que rareavam, mas também as chances desperdiçadas que se repetiam e a falta de consistência em suas atuações. A predileção de Zinedine Zidane e os lampejos em momentos cruciais salvaram a sua pele, embora merecesse deixar o time titular. Nesta temporada claudicante dos merengues, entretanto, o francês é justamente um dos que mais se salvam. Os números não são lá impressionantes, com 15 gols em 33 partidas, além de seis assistências. Todavia, se o veterano tinha uma importância tática antes, ao deixar as brechas para Cristiano Ronaldo fulminar, agora ele se torna um fio condutor na busca dos madridistas pelas vitórias. E teve uma grande atuação neste domingo, garantindo a vitória por 4 a 2 sobre o Espanyol.

Bastaram três minutos para Benzema apresentar sua credencial em Cornellà-El Prat. Luka Modric chutou, Diego López rebateu e o centroavante completou às redes no rebote. E o bom início do Real Madrid evitou sustos, como em outras rodadas do Espanhol. Aos 14, já estava 2 a 0. Modric participaria mais uma vez, em cruzamento na cabeça de Sergio Ramos, que mandou para dentro. E o esboço de goleada contava com a segurança dos merengues, mesmo com Léo Baptistão descontando em uma bomba aos 24. O domínio era amplo e Benzema fez mais um nos acréscimos. Na tentativa de tabela com Vinícius Júnior, a sobra ficou com o centroavante, que bateu com precisão impressionante, no cantinho. Preocupação, apenas, com Sergio Ramos. O zagueiro sentiu dores no joelho e sequer voltou do intervalo, suplantado por Nacho Fernández.

A movimentação de Benzema era um enorme facilitador ao Real Madrid. E o time continuou mandando na partida durante a etapa complementar. O francês se combinava com Modric e, ao deixar o companheiro em ótimas condições, Diego López salvou. Vinícius Júnior, apagado desta vez, deu lugar a Gareth Bale aos 18. Pois o recuperado ponta também ressaltou a importância de seu retorno, ampliando a goleada. Outro lance com o carimbo de Benzema, que abriu o espaço e passou a Lucas Vázquez, que entregaria ao galês. Então, o craque deu um giro soberbo para limpar a marcação e ficar com o gol aberto à sua frente, apenas tirando do alcance do goleiro. Dani Carvajal não anotou o quinto por novo milagre de Diego López. E se houve alguma complicação ao Real Madrid, ela aconteceu aos 26, quando Raphaël Varane matou um ataque na entrada da área e foi expulso. Diante da vantagem, o Espanyol pressionou. Mas no máximo descontou, em lançamento que Roberto Rosales fuzilou.

A pensar que, num passado não muito distante, Benzema disputava ferrenhamente sua posição de titular no Real Madrid com Gonzalo Higuaín. Além de ser mais preciso nos arremates que o argentino, o francês venceu a queda de braço por um motivo primordial: é um centroavante que gosta da bola e, com suas características, este é um fato raro. A inteligência do veterano é muito acima da média, isso não se questiona. Mas é o talento para se associar com os companheiros que realmente vale a importância do camisa 9 neste ciclo vitorioso dos merengues. Melhor ainda quando os gols saem, a exemplo deste domingo.

Se o Real Madrid não inspira confiança, ao menos ele engrena com uma sequência de vitórias e atuações relativamente tranquilas. O jogo contra o Sevilla pareceu mudar o espírito dos merengues no Campeonato Espanhol e a visita ao Espanyol confirma isso. O time permanece na terceira colocação, com 39 pontos. Está a cinco do Atlético de Madrid e três à frente do Sevilla. Se imaginar o título parece difícil, com os dez pontos de vantagem do Barcelona, os riscos de ficar fora da Champions já estão bem distantes. O Espanyol, na outra ponta da tabela, permanece ameaçado pelo rebaixamento. É o 15° colocado, a quatro pontos do Z-3.