A braçadeira de Weston McKennie, norte-americano do Schalke 04, pedindo justiça para George Floyd, homem negro morto pela polícia de Minneapolis, nos Estados Unidos, foi apenas o início de uma onda de manifestações de jogadores de futebol contra o racismo sistêmico que fez mais uma vítima. No restante da rodada da Bundesliga, mais cenas do tipo se espalharam pelos jogos, enquanto outros atletas foram às redes sociais tomar um posicionamento.

Filho de Lilian Thuram, campeão do mundo pela França e hoje ativista antirracismo, Marcus Thuram, após marcar o primeiro de seus dois gols contra o Union Berlim neste domingo (31), ajoelhou-se em referência a Colin Kaepernick, jogador de futebol americano e ativista antirracismo. Mais tarde, na goleada do Borussia Dortmund por 6 a 1 sobre o Paderborn, Jadon Sancho e Achraf Hakimi, depois de marcarem seus gols, levantaram suas camisas para exibir a mesma mensagem que Weston McKennie havia mostrado no dia anterior: “Justiça para George Floyd”.

Nas redes sociais, Kylian Mbappé publicou no Twitter a hashtag #JusticeForGeorge, embora tenha recebido críticas por não se expressar quando negros são vítimas de abordagens violentas e às vezes fatais por parte da polícia francesa.

Jadon Sancho, do Borussia Dortmund (Divulgação/Borussia Dortmund)

No Reino Unido, o garoto Rhian Brewster, prodígio do Liverpool de 20 anos e atualmente emprestado ao Swansea, publicou um texto relativamente longo em seu Twitter, denunciando o racismo estrutural do qual os negros são vítimas.

“Isso é muito mais profundo do que apenas apontar quem está calado e quem está se posicionando. Infelizmente para nós, pessoas negras, essa é uma ocorrência diária e real, de diversas maneiras. Durante anos e por gerações, temos gritado por mudança e para sermos ouvidos. Ainda assim, a dor continua. Todos nós vimos filmes como Raízes, como Os Donos da Rua, em que essa realidade é abordada e exibida. Mesmo assim, ainda estamos vivendo esses filmes na vida real. Em 2020, hoje. Isso vai além de apenas #JustiçaParaGeorgeFloyd. Precisamos de justiça para nós como seres humanos. Não queremos privilégio especial. Igualdade de condições é tudo o que temos pedido desde sempre, nos ouçam. #VidasNegrasImportam”, escreveu Brewster.

Os episódios de posicionamento foram relativamente numerosos, considerando que apenas a Bundesliga entre as cinco grandes ligas europeias está sendo disputada neste momento. Programadas para recomeçar nas próximas semanas, Premier League, Serie A e La Liga possivelmente teriam manifestações semelhantes caso estivessem já em ação.