Um dos jogadores mais badalados da sua geração, o meio-campista Mario Götze ficará livre ao final da temporada, depois do anúncio do Borussia Dortmund que não irá renovar contrato com o jogador. Aos 28 anos (completará no dia 3 de junho), o jogador precisará buscar um novo clube para seguir a sua carreira e há dúvidas sobre qual o nível que o jogador pode continuar jogando.

Os heróis da Copa do Mundo nem sempre consegue manter o rendimento depois dela. Mario Gótze entrou para a história em 2014 quando marcou o gol do título da Copa do Mundo e deu à Alemanha o seu quarto título mundial. Quatro anos depois, não estava no elenco da mesma seleção alemã na Copa 2018 por opção do técnico Joachim Löw. Não era nem uma escolha difícil: Götze foi reserva a maior parte do tempo, sem conseguir ter continuidade.

A sequência de carreira de Götze depois de 2014. O gol da final da Copa parecia o começo, não o fim. Depois de surgir como prodígio em 2010, no Dortmund, brilhou na campanha do time até a final do torneio, na temporada 2012/13, quando o Bayern derrotou os aurinegros. A sua polêmica transferência para o rival bávaro, acertada antes da final, somada à sua ausência em campo por lesão, deixaram uma má impressão. De qualquer forma, ele parecia pronto a brilhar.

No Bayern, sob o comando de Pep Guardiola, nunca conseguiu ser o jogador que parecia brilhante. Ficou no clube até 2016, sendo sempre um jogador de elenco, longe do protagonismo que se esperava. Voltou ao Dortmund para tentar resgatar o potencial craque que tinha surgido anos antes.

Foi o Dortmund que descobriu que o problema de Götze não estava dentro de campo. E nem dependia da vontade do meia. Uma nota oficial do clube, divulgada em fevereiro de 2017, confirmou que o jogador sofria com alterações metabólicas e precisou ser afastado para um tratamento mais cuidadoso. O desequilíbrio hormonal afetou o desempenho físico do jogador, além de ter consequências psicológicas.

O próprio jogador falou sobre a sua carreira em um depoimento ao Player’s Tribune. Nesta temporada, Götze tem jogado pouco. Tem 20 jogos até aqui, mas poucos minutos em campo: 599, média de pouco menos de 30 minutos por partida. Um reserva, basicamente. Em abril, o alemão trocou de agentes e falava em “reposicionar o planejamento da minha carreira”.

Neste sábado, o Dortmund confirmou que o contrato de Götze não seria renovado. “Nós iremos nos separar de Mario Götze neste verão”, afirmou o diretor esportivo do Dortmund, Michael Zorc, à Sky Sports Alemanha. “Foi uma decisão mútua e respeitosa. Mario é um grande homem”.

Julian Brandt se tornou o titular do time nesta temporada, contratado do Bayer Leverkusen. Com isso, Götze teve apenas cinco jogos como titular do time e entrou poucos minutos no clássico contra o Dortmund, na rodada de volta da Bundesliga depois da paralisação pela pandemia. “Ele é um jogador muito bom que veio da nossa própria categoria de base”, disse Zorc. “Mas também está no seu espírito a procura por um novo emprego. Talvez no exterior”.

Quais as opções de Mario Götze?

Götze não tem jogado e não tem mostrado o alto nível que se espera de um jogador do Dortmund, ou mesmo do Bayern, antes. Por isso, as opções certamente serão de times menos poderosos que esses. Com 28 anos ainda para serem completados, é um jogador que tem bastante potencial para jogar e ser útil a diversos times.

Hertha Berlim

Um deles é o Hertha Berlim. O clube recentemente ganhou um reforço financeiro com o Windhorst Group e, assim, tem ganhado reforços que tornam a equipe da capital um competidor interessante para a próxima temporada.

Há várias especulações no Hertha, com nomes como Julian Draxler ligados à equipe. Lá, Götze teria mais tempo em campo e a oportunidade de levar um time de meio de tabela a brigar em cima, como querem seus investidores.

Berlim é uma cidade atraente para morar e em termos familiares, agradaria poderia continuar na Alemanha, em um clube com potencial de crescimento. Como já há especulação no interesse dos berlinenses em Götze, parece a opção mais óbvia.

Colônia

Uma segunda opção seria o Colônia. É bem diferente do Hertha, que tem um projeto para ser um time forte na Bundesliga e, a médio prazo, quem sabe brigar pelas primeiras posições. O Colônia não. O time tem praticamente garantida a sua permanência na primeira divisão, o que permite planejar o futuro e há a especulação que o clube pretende oferecer um contrato de dois anos para o meia, a começar no dia 1º de julho.

Sua esposa quer morar na região de Colônia, então seria uma opção interessante em termos familiares. Além disso, ele pode se reunir com outro ex-jogador da seleção alemã e ídolo local, Lukas Podolski, que é eternamente especulado para voltar ao clube.

Seria uma opção menos badalada, em um clube que certamente não briga por título e que qualquer classificação à Liga Europa já é motivo para festa. Seria Götze capaz de liderar o Colônia para que o clube faça uma boa campanha?

Futebol italiano

A Inter mostrou interesse em Götze muitas vezes, mas não com Antonio Conte. Segundo relatos do Tuttosport, seu agente já o ofereceu a vários clubes do país, como Milan e Roma, além da própria Inter. Como é um jogador que chega de graça, seria preciso apenas acertar os salários com o jogador. Na Itália, ele seria muito exigido e os jogadores que vão para a Serie A sabem disso. Mas também é um desafio de provar que pode atuar em uma liga de alto nível em clubes de tradição.

Seja qual for o destino escolhido por Götze, será um novo capítulo na sua carreira. Pelo que falou em abril ao trocar de agente, ele parece estar disposto a continuar jogando em bom nível. Se manter na Bundesliga, em ou uma grande liga da Europa, portanto, faria sentido. Veremos quando esta temporada acabar – e no momento, ninguém sabe exatamente quando isso acontecerá pelas incertezas da pandemia do coronavírus.