Matthijs de Ligt ganhou reconhecimento tão rapidamente que é fácil esquecer que, ao se transferir para a Juventus no início da temporada, ele tinha apenas 19 anos. A idade ajuda a entender a fascinação que o neerlandês teve ao chegar ao time italiano. Em entrevista a um canal de YouTube polonês ao lado de Szczesny, com declarações repercutidas pela BBC, o jogador revelou que demorou dois meses para conseguir ser ele mesmo no vestiário: “Eu parecia uma criança em uma loja de doces”.

De Ligt contou que foi impossível não se deslumbrar com as estrelas do futebol mundial que encontrou ao se dirigir ao centro de treinamento pela primeira vez.

“Quando cheguei no vestiário pela primeira vez, parecia uma criança em uma loja de doces… ‘Olha ali o Buffon, e ali o Ronaldo’. No começo, você fica olhando e pensando: ‘Olha aquele! E aquele!’ Só depois de dois meses senti que poderia ser mais eu mesmo.”

Pela grande temporada que havia feito pelo Ajax em 2018/19 e também pela grande disputa de gigantes do futebol mundial por sua contratação, incluindo Barcelona e Manchester United, De Ligt chegou cercado de pressão, e seu início claudicante não contribuiu para uma adaptação mais tranquila.

Em amistoso contra a Internazionale, o neerlandês marcou um gol contra, e aquilo pesou sobre sua cabeça, mesmo tendo acontecido em partida sem grande importância. “Já havia muitos olhares em cima de mim. E aí veio ainda mais pressão, mas eu sabia que nos treinos eu estava me sentindo bem. Nos jogos, ainda havia um pouco de adaptação a ser feita. Passo a passo, fui melhorando”, relembrou.

O início em jogos oficiais também não foi simples. Entre o fim de outubro e o começo de novembro, em partidas contra Lecce e Torino, tocou a bola com a mão dentro da área em duas oportunidades. Na primeira, custou pontos ao seu time, enquanto na segunda, nada foi marcado. De qualquer forma, aquilo estava o deixando atônito: “Lembro de ir para o chuveiro e ouvir as pessoas dizendo que era inacreditável. É como se tivesse um ímã no meu braço”.

Pouco a pouco, as coisas começaram a se ajeitar melhor, embora o zagueiro ainda esteja devendo uma boa sequência de atuações de alto nível que comecem a justificar o alto valor de € 85,5 milhões gasto pela Juve em sua contratação. De qualquer forma, o jogador não se arrepende de sua escolha.

Questionado sobre o peso que teve o pedido de Cristiano Ronaldo para que fosse para o time italiano, feito ainda dentro de campo após o Ajax eliminar a Juventus nas quartas de final da Champions League 2018/19, De Ligt afirmou que a decisão foi mais racional do que isso.

“Esse não é o motivo. Tive muito tempo para escolher entre os clubes a que eu poderia me juntar e, quando coloquei tudo no papel, a Juventus era a melhor escolha.”

Parte dos motivos por trás da decisão foi a presença de dois grandes zagueiros no elenco da Juve, além da tradição de qualidade defensiva do futebol italiano. No clube bianconero, De Ligt pode trabalhar diariamente ao lado de nomes como Bonucci e Chiellini, e o neerlandês tenta tirar o máximo de lições possível.

“Você tenta pegar alguns atributos de cada um deles para melhorar seu próprio futebol, mas no fim acho que o mais importante é observá-los, mas sem mudar seu próprio estilo de jogo. Acho que cada jogador tem seu próprio estilo, então tento ver coisas em que posso melhorar.”