As grandes estrelas do futebol mundial querem estar na principal competição de clubes do planeta. A presença na Champions League influencia a decisão de muitos jogadores na hora de escolher um novo clube, mas também na hora de permanecer ou não onde estão. Em entrevista ao jornal belga Het Laatste Nieuws, Kevin De Bruyne admitiu que, caso a punição de dois anos fora da Liga dos Campeões seja confirmada ao Manchester City, precisaria repensar seu futuro.

Questionado pelo veículo sobre sua permanência nos Cityzens, devido à punição da Uefa que exclui o clube da Champions League por dois anos por causa de violações ao Fair Play Financeiro, De Bruyne afirmou que está esperando a decisão final, com o clube preparando sua apelação da decisão.

“O clube nos disse que iria apelar da decisão e que tem quase 100% de certeza de que está certo. É por isso que estou esperando para ver o que irá acontecer. Confio no meu time. Uma vez que a decisão estiver tomada, irei rever tudo”, comentou.

De Bruyne reconheceu que uma punição de dois anos seria longa demais, dando ainda a entender que mesmo um ano fora do torneio seria um incômodo, embora contornável. “Dois anos (sem Champions League) seria bastante tempo, mas, caso seja um ano, posso ver (a possibilidade de continuar em Manchester)”, reconheceu.

O craque belga ainda tem três anos de contrato com o Manchester City e se diz feliz onde está. Em questão de competitividade, está satisfeito com o clube, e isso não seria um motivo para sair. “Jogo em um dos melhores times do mundo, jogo na Inglaterra, onde está a melhor competição do mundo no meu ponto de vista competitivo, e eu gosto disso. Ser o melhor segue sendo um desafio, e preciso disso também”, observou.

A situação do técnico dos Cityzens, Pep Guardiola, tampouco mudaria a visão de De Bruyne. O treinador tem apenas mais um ano de contrato, e não há indícios apontando para a permanência, mas nada também que indique sua saída após o atual contrato.

“Acho que o Pep disse que terminaria seu ano final, independentemente do que aconteça. Então seu contrato termina. Mas não vou deixar minha decisão depender do que o Pep faça. Claro, já trabalhei com outros treinadores, e, quando o Pep sair, tenho que continuar trabalhando com outra pessoa. Mas não pensei muito nisso por enquanto. Há coisas mais importantes no momento.”

Aos 28 anos, De Bruyne ainda tem um ou dois anos como jogador de valor altíssimo no mercado, levando-se em conta também a duração de seu contrato. Por sua transparência nos comentários, a única coisa que, no momento, coloca em dúvida seu futuro no City é a exclusão ou não da Champions League.

Em fevereiro, a Uefa puniu o Manchester City com dois anos de suspensão de competições europeias e uma multa de € 30 milhões. A punição foi decidida depois de uma análise feita das contas do clube entre 2012 e 2016, período no qual a Uefa entendeu que os ingleses violaram regras do Fair Play Financeiro ao maquiarem suas contas para disfarçar investimentos como patrocínios.

O City entrou com recurso no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), e a expectativa à época era de que o julgamento fosse feito ao final da temporada atual e antes do início da próxima. Se o processo não for julgado até o momento do início da próxima temporada, o Manchester City deve ser mantido na disputa da próxima Champions League, na temporada 2020/21, e a punição valeria para as campanhas seguintes, em 2021/22 e 2022/23.