Um dos técnicos mais pressionados da Premier League conseguiu uma vitória que certamente o faz respirar mais aliviado. Tudo bem que o jogo não era do Campeonato Inglês, ma a virada sensacional do West Ham sobre o Tottenham pela Copa da liga por 3 a 2, em Wembley, certamente faz Slaven Bilic ganhar alguns pontos.

LEIA TAMBÉM: Everton foi mais indigesto que se esperava, mas Chelsea avança com golaço de Willian

O primeiro tempo foi terrível para o West Ham. Com cinco minutos de jogo, Dele Alli fez belo passe para Son Heng-Min e o sul-coreano, com liberdade, achou Moussa Sissoko pelo meio. O francês entrou livre e tocou para marcar 1 a 0. Aos 36 minutos, o próprio Dele Alli tocou no canto, da entrada da área, e marcou 2 a 0. O jogo parecia absolutamente controlado pelo time do técnico Mauricio Pochettino.

“O moral estava baixo no vestiário no intervalo, mas não tão ruim quanto no jogo contra o Brighton. O resultado era ruim, mas nós jogamos um bom futebol. Nós não conseguimos entrar o suficiente na defesa dos Spurs, não fomos bons o suficiente no terço final e nós falamos sobre o que nós deveríamos fazer quando eles e nós tivéssemos a bola”, afirmou Slaven Bilic, após o jogo.

“Nós reagimos da forma mais brilhante. Marcar três gols contra eles, que não tomam gols, então sermos valentes e compactos, bons com a bola, nós merecemos isso e foi um grande incentivo para nós”, contou o técnico do West Ham.

Os Hammers voltaram para o segundo tempo de outro jeito. O Tottenham, ao contrário. Voltou mole e foi amassado pelos visitantes. Logo no início, em um escanteio, André Ayew aproveitou o rebote do goleiro Vorm para marcar o primeiro do time de Bilic. A vantagem do Tottenham caía para 2 a 1.

O West Ham foi muito eficiente para marcar mais um logo depois. Aos 15 minutos, em uma boa recuperada no meio-campo,  argentino Manuel Lanzini recebeu no círculo central e avançou, puxando o ataque. Trabalhou a jogada pela esquerda com outros jogadores. Até que o próprio Lanzini recebeu na esquerda, tocou para o meio e Ayew, novamente, completou de primeira para marcar o gol de empate: 2 a 2. Toda a vantagem dos Spurs no primeiro tempo foi demolida.

Aos 24 minutos, veio então a virada do time do West Ham. Lanzini cobrou escanteio do lado esquerdo e o zagueiro Angelo Ogbonna cabeceou para marcar: 3 a 2 e virada dos Hammers. Uma virada formidável de um time que voltou para o segundo tempo com energia e força, enquanto o Tottenham pareceu desligado.

Essa postura cobrou um preço. O West Ham, cheio de confiança, fez um jogo duro e não deixou que o Tottenham empatasse. Mesmo com a reação do time da casa no final, tentando mais intensamente chegar ao gol, os Hammers seguraram o resultado.

“Nós marcamos dois gols e parecia que o jogo estava terminado, mas nós mostramos uma falta de agressividade e sofremos três gols em 15 minutos”, analisou Pochettino. “Isso não pode acontecer. Quando você não está no mesmo nível mental, é difícil. O adversário não tinha nada a perder, eles começaram a acreditar e nós começamos a sofrer”.

“Talvez nós tenhamos pensado que o trabalho estava feito. O segundo tempo não foi o mesmo e é difícil aceitar. Depois do Real Madrid e Liverpool, foi difícil manter a motivação e a concentração. Nós temos que ser mais maduros com 2 a 0 de vantagem, foi decepcionante”, afirmou Mauricio Pochettino. “Não é bom perder, sempre, eu não estou feliz”.

“Eu disse que estou calmo e feliz quando vencemos desta forma. Você vê que o time está muito vivo e nós somos muito teimosos de um modo positivo. Não há espaço e tempo para ficar comemorando agora. Nós fizemos muito, mas considerando a temporada, nós não fizemos nada”, afirmou Bilic, comemorando a vitória do West Ham, mas ciente que a situação ainda é crítica.

Não é por acaso que Bilic já liga o sinal amarelo, mesmo depois de uma vitória importante como essa. O time é 16º na Premier League, com oito pontos em nove jogos, em uma posição de perigo pensando em rebaixamento. A má campanha até aqui, com duas vitórias, dois empates e cinco derrotas é preocupante. Por isso, essa vitória foi incrível, dá força, confiança e pode, sim, ajudar o time a começar uma nova história na temporada a partir de agora. E certamente dá alguns dias de tranquilidade para o técnico Slaven Bilic.