O lateral direito Danilo foi apresentado na Juventus como nova contratação do clube. Ele foi parte da negociação do português João Cancelo, que foi para o Manchester City. Aos 28 anos, com a experiência de ser campeão da Libertadores pelo Santos em 2011 e ter passado por Porto, Real Madrid e Manchester City, o brasileiro chega à Itália para conhecer mais uma grande liga europeia. Elogiou o técnico Maurizio Sarri e se disse disposto a aprender a defender mais, já que este é um aspecto fundamental na Itália.

“Eu estou feliz de estar aqui e ter uma recepção muito calorosa”, afirmou o lateral brasileiro na sua entrevista coletiva. Ele volta a jogar junto com Alex Sandro, lateral esquerdo e também brasileiro, de quem foi companheiro no Porto. Além de companheiros em Portugal, os dois laterais brasileiros ainda compartilham a mesma origem: ambos se projetaram nacionalmente no futebol pelo Santos.

“É claro, eu falei com ele durante as negociações, ele me deu algumas indicações precisas sobre o clube, a filosofia e como eles trabalham por aqui. Alex Sandro é uma pessoa importante para mim, nós somos amigos há 10 anos, claramente sua presença ajudou”, afirmou ainda o jogador. “É verdade, eu estive em algumas conversas com a Juve no passado, mas eu acredito que esta é a hora certa para vir para cá”.

“Todo lateral direito se inspira em Daniel Alves, não apenas os brasileiros. Ele é um jogador que realmente motiva os companheiros e ganhou tudo. Eu espero que possamos continuar a levar uma influência positiva para a Juventus com o Alex Sandro e Douglas Costa”, declarou ainda o jogador.

“Eu gosto do estilo de jogo de Sarri e eu não acho que terei dificuldade em me adaptar a o que for pedido a mim. Eu sei que defender é muito importante na Itália, mas eu tenho 28 anos e estou aberto a aprender qualquer coisa que eu precise para me tornar um jogador melhor”, afirmou o ex-jogador do Manchester City, que enfrentou Maurizio Sarri na Inglaterra, na temporada passada.

Camisa Juventus 1985 Retrô
Em 1985, a Juventus conquistou a Champions League diante do Liverpool em um time que tinha Michel Platini como camisa 10. Esta camisa retrô lembra deste momento da história da Juve
A Trivela pode ganhar comissão sobre a venda.

“Sarri me pediu para ser cauteloso quando estiver defendendo, mas eu também quero jogar com liberdade para expressar todo meu potencial indo ao ataque. Ele gosta de controlar o jogo com posse de bola e eu sei por enfrentá-lo que seu Napoli e Chelsea foram adversários muito difíceis. Eu estou pronto para aprender e evoluir todos os dias”, continuou.

Reserva no Manchester City, Danilo chega na Juventus com uma perspectiva de jogar mais minutos. “Todo mundo é importante para ajudar a te forjar como jogador. Ainda que eu não tenha jogado como eu gostaria, estes últimos quatro anos foram fundamentais para me ajudar a ter a mentalidade certa aqui na Juve”, disse o defensor.

Além de Alex Sandro, outro ex-companheiro conversou com Danilo antes de ele acertar com a Juventus: Cristiano Ronaldo. “Nós brincamos e eu disse a ele que queria a camisa 7, mas já sendo usada! Ele me deu as boas vindas a Turim, com um sorriso, e disse que eu cheguei a um clube magnífico. Jogar com estrelas deste nível te dá mais motivação”, declarou ainda o brasileiro.

“Cristiano falou sobre este clube e como é uma grande família que realmente me atraiu para cá. Nós temos tudo que precisamos em Turim para sermos muito felizes e você pode ver o quanto ele está contente aqui”, disse.

Depois de vestir a camisa 3 no Manchester City, na Juventus o jogador escolheu a camisa 13. “No final, eu escolhi o número 13 porque eu acredito em numerologia e o 13 representa renovação e abertura a algo novo”, explicou o jogador.

“Eu sei que a Champions League é um objetivo para muitos grandes clubes, mas nosso objetivo deve ser jogar em todas as competições com a mesma atitude e foco. Eu nunca vi um time vencedor encarar um jogo de modo diferente do que outros”, explicou o jogador.

O brasileiro foi perguntado sobre o trabalho com Pep Guardiola. “Todo técnico tem seus modos particulares. Tanto Guardiola quanto Sarri têm um modelo tático definido, já que ambos gostam de tomar a iniciativa e controlar o ritmo. A chave com um técnico é também o modo como ele lida com o elenco e eu vi uma excelente atitude de Sarri. Eu realmente gostei disso”.