Munas Dabbur acertou sua transferência ao Sevilla em janeiro de 2019. A mudança do atacante à Andaluzia se concretizaria apenas no início da temporada seguinte, mas não deixava de ser um bom anúncio do clube espanhol. No entanto, se a notícia passou um tanto quanto despercebida na época, pelos seis meses de espera, da mesma forma o israelense não causou muito alarde no Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán. Meia temporada foi suficiente para o Sevilla abrir mão de Dabbur e negociá-lo com outro time. Nesta terça-feira, o Hoffenheim apresentou o camisa 10 como seu novo reforço.

Dabbur custou €17 milhões ao Sevilla, em contratação justificada na época. O atacante vinha de boas temporadas com o Grasshopper, antes de estourar com o Red Bull Salzburg. Foram 42 gols em duas edições do Campeonato Austríaco, além de ótimas atuações na campanha que levou os Touros Vermelhos às semifinais da Liga Europa. Outros clubes europeus se mostraram interessados na contratação do israelense, incluindo o Liverpool. Num momento de reformulação, os andaluzes tinham o substituto a Wissam Ben Yedder, vendido ao Monaco.

O problema é que Dabbur mal teve espaço no Ramón Sánchez-Pizjuán. O atacante disputou míseros 24 minutos pelo Campeonato Espanhol, substituto em duas partidas, e muitas vezes sequer figurou no banco. Teve um pouco mais de chances na Liga Europa, mas só rendeu mesmo numa goleada contra o fraco Dudelange, em que anotou dois gols e duas assistências. Julen Lopetegui não escondia a falta de confiança no centroavante (que foi trazido antes de sua chegada ao clube) e não o levava em consideração, preferindo Luuk de Jong ou Chicharito Hernández – ambos com rendimento baixo. Diante do ostracismo, não restou outra opção ao israelense a não ser fazer as malas.

Dabbur, obviamente, saiu desvalorizado do Sevilla. Seu preço caiu para €12 milhões, mais bônus, em vínculo assinado até 2024. Aos 27 anos, não possui uma margem de evolução tão grande. Mas, sem dúvidas, é um atacante que pode render em alto nível na Bundesliga. A dinâmica de jogo praticada na Alemanha é mais parecida com o que vivia no Red Bull Salzburg e ele entra em uma equipe com mentalidade tradicionalmente ofensiva. Não terá muita pressão na nova casa e poderá alavancar os alviazuis no segundo turno.

Tateando o seu caminho após a saída de Julian Nagelsmann, agora sob as ordens do holandês Alfred Schreuder, o Hoffenheim oscilou durante o primeiro turno, mas ainda deve almejar sua classificação às competições europeias. Na sétima colocação, a equipe derrotou o Borussia Dortmund na última rodada e deu alguns sinais positivos. Ganha um bom reforço para melhorar seus números ofensivos. Ilhas Bebou e Andrej Kramaric são as principais alternativas para o centro do ataque, embora o croata venha entrando mais pelo lado direito. Não deixa de ser válido adicionar mais uma peça à rotação.

Dabbur pode servir como homem de referência na linha de frente, mas possui mobilidade suficiente para se combinar com outro atacante e oferecer alternativas táticas ao Hoffenheim. Além do mais, é um jogador que chega motivado para dar sua volta por cima, diante das parcas oportunidades que recebeu na Espanha. Ao final, parece ser um bom negócio a ele e aos alemães. Só os andaluzes terminam frustrados, pelo dinheiro que podem perder se os bônus não forem cumpridos e também pela aposta que não vingou.