Patrick Cutrone chegou ao Milan com nove anos de idade e passou dez anos nas categorias de base do clube até ganhar sua chance na equipe principal, em 2017. Nas últimas duas temporadas, mostrou grande potencial e faro de gol e era um dos nomes para o futuro rossonero. Entretanto, a falta de espaço fez o jogador buscar novos ares, indo ao Wolverhampton, da Inglaterra. Em entrevista recente, ele revelou certo ressentimento em relação ao que descreve como uma  preferência do Milan por atletas estrangeiros aos italianos.

“É sempre a mesma história: os estrangeiros são preferidos em relação à gente. Para nós, com 20 e poucos anos, é difícil. Mas, de qualquer forma, eu gostaria de enfatizar uma coisa: sempre serei grato ao Milan pelo que me deram”, contou Cutrone em entrevista à Gazzetta dello Sport.

O polonês Krzysztof Piatek chegou ao Milan voando baixo na metade da temporada passada. Contratado do Genoa após apenas meia temporada no time italiano, marcando 19 vezes em 21 jogos, o matador manteve a boa forma nos rossoneri, o que naturalmente tirou espaço de Cutrone. O jovem de 21 anos, então, queria minutos em campo, e diante da preferência de Giampaolo pelo polonês, decidiu tomar seu próprio caminho.

Um jogador da idade de Cutrone precisa estar jogando constantemente para seguir se desenvolvendo, então fazia completamente sentido que ele quisesse atuar em algum clube em que teria mais espaço. Entretanto, a crítica da torcida à diretoria do Milan é em relação ao clube não tê-lo emprestado para um outro time em vez de vendê-lo definitivamente – e por tão pouco, apenas € 18 milhões, com bônus de € 4 milhões baseados em objetivos.

Independentemente disso, a página já virou, e Cutrone diz estar se instalando bem na Inglaterra. “Minhas primeiras impressões têm sido excelentes. Fui recebido muito bem e já me adaptei.  Não gostei de viver em um hotel, então encontrei uma casa onde meu melhor amigo tem me feito companhia”, revelou.

Por enquanto, ele figura no banco de reservas de Nuno Espírito Santo na Premier League, já que a dupla de ataque formada por Raúl Jiménez e Diogo Jota é bastante eficaz, entrosada e querida pela torcida. Entretanto, com Liga Europa, Copa da Liga e FA Cup a serem disputadas, chances não faltarão para o italiano mostrar por que merece seu lugar. É inclusive na competição europeia que tem tido mais minutos, tendo sido titular contra o Pyunik Erewan, na última qualificatória, e conseguindo duas assistências no jogo. Agora, o adversário da vez no torneio é um oponente conhecido do centroavante.

“Será difícil contra o Torino. Eles são um bom time, e há várias semelhanças entre nós e eles: torcedores apaixonados, caráter, orgulho, um senso de pertencimento”, avaliou o jogador sobre o confronto desta quinta-feira (22), pelas qualificatórias da Liga Europa.

Pertencimento é também o que busca o próprio Cutrone em sua nova jornada.