Que a Croácia possui um elenco bastante talentoso, isso não é mistério para ninguém. A equipe pode ter ficado devendo em suas últimas participações internacionais, mas qualidade não falta. A campanha na fase de grupos não foi suficiente, diante da consistência da Islândia. Mas na repescagem, favoritos contra a Grécia, os croatas já encaminham sua vaga no Mundial. Nesta quinta, a equipe de Zlatko Dalic venceu de maneira categórica o Navio Pirata, naufragado em Zagreb. Goleada por 4 a 1, em que os anfitriões amassaram os gregos, embora as bobeiras da defesa também tenham atrapalhado muito. Viajarão tranquilos para o reencontro no domingo, em Pireu.

Mesmo com Mario Mandzukic no banco, poupado por não ter as melhores condições físicas, a Croácia não demorou a sair em vantagem. Pressionou desde o apito inicial e anotou o primeiro gol aos 13 minutos, graças a uma trapalhada do goleiro Orestis Karnezis. Após recuo da zaga, o camisa 1 dominou mal e derrubou Nikola Kalinic na área. Pênalti, que Luka Modric converteu. E o bombardeio continuou, até que Kalinic ampliasse aos 18, após jogadaça de Ivan Strinic pela ponta esquerda, avançando com liberdade.

Apesar do controle de jogo da Croácia, a Grécia conseguiu marcar logo no momento em que acordou. Aos 29, após uma boa jogada de ataque, o escanteio cobrado por Kostas Fortounis permitiu que Sokratis Papastathopoulos emendasse às redes. Mas as esperanças de uma reação durariam pouquíssimo. Mais exatamente, três minutos, o tempo que levou até Sime Vrsaljko aproveitar a avenida pela direita e cruzar para Ivan Perisic deixar o dele. Pouco antes do intervalo, Karnezis evitou um placar ainda mais elástico.

A Croácia retornou ao segundo tempo resulta a definir o placar. Aos três minutos, anotou o quarto gol, em mais um erro bisonho da defesa grega. Konstantinos Stafylidis tentou recuar de peito para Karnezis, Sime Vrsaljko chegou antes e ajeitou para Andrej Kramaric escorar. Karnezis voltaria a salvar a pele de seus compatriotas mais duas vezes. Enquanto isso, quem gastava a bola era Modric. O camisa 10 chamou a responsabilidade e ia produzindo lances deslumbrantes. Faltava ao time caprichar um pouco mais na definição.

Nos 20 minutos finais, enfim, a Croácia tirou o pé do acelerador. A brecha que a Grécia queria para crescer. Já dominando a posse de bola, o Navio Pirata ancorou no campo de ataque e tentava criar suas chances, especialmente no jogo aéreo. Então, Danijel Subasic se transformou em herói. Aos 45, Kostas Mitroglou cabeceou no canto e o goleiro conseguiu buscar a bola. Não era mesmo a noite dos gregos, que teriam expectativas um pouco maiores se anotassem o segundo tento fora.

Por aquilo que apresentou e pelas peças que possui, é difícil imaginar a Croácia perdendo a vaga na Copa do Mundo. Não conseguiu a classificação direta pela bagunça da federação, assim como por algumas atuações desleixadas e pelo equilíbrio de sua chave. Mas na hora da decisão, o poder de fogo fica claro, como já tinha sido há quatro anos. A Grécia, por sua vez, continua sempre atuando no limite. Mas esse limite não tem sido suficiente como antes. No domingo, o Estádio Karaiskakis precisará se inflamar para empurrar o Navio Pirata. Ainda assim, a virada parece bastante improvável.