Cristiano Ronaldo é um dos melhores jogadores do mundo e escreveu o seu nome na história – e ainda escreve, aos 34 anos e aparentemente com muita lenha para queimar. Em entrevista à France Football, o atacante português da Juventus falou sobre a sua rivalidade com Lionel Messi nos tempos de Espanha, a marca de 700 gols, o gosto por jogos importantes e também sobre o que faz um grande artilheiro.

Gol favorito

“700 gols, ainda é um total impressionante que me faz muito mais orgulhoso que poucos jogadores conseguiram”, disse Ronaldo, que ainda respondeu qual é o seu favorito. “É difícil dizer. O último é sempre o mais importante. Mas se você me pedir para escolher, eu diria que foi o gol contra a Juventus [pelo Real Madrid, na Champions League em abril de 2018]: uma bicicleta. Porque é um gol que eu tentei marcar esse gol por anos”, continuou o atacante.

“Veja a altura que eu cheguei quando toquei a bola. Está acima de 2,40 metro. É incrível. Para mim, é uma das mais bonitas bicicletas já marcadas, e eu não digo isso porque fui eu que fiz o gol”.

Função: fazer gols

“Fazer os gols é a coisa mais importante no futebol, depois de uma vitória do time. As duas coisas estão ligadas, então, evoluí na maneira de jogar e de pensar sobre futebol”, continuou. “Aos 19/20 anos, eu entendi que futebol era números, títulos, recordes. Não apenas o desempenho ou dribles. Se você quer fazer algo, tem que fazer gols. No começo, eu driblava, eu estava me exibindo com os pés. Eu percebi que isso não era o suficiente. Que eu tinha que fazer gols”.

O que faz um grande goleador? “Primeiro, talento. Sem isso, você não pode fazer muito. Depois, talento sem trabalho é inútil. Nada cai do céu. Eu nunca chegaria onde cheguei sem minha força de trabalho”, contou o português.

Rivalidade com Messi

“Estar frente a frente na Espanha nos permitiu ser melhores, mais eficientes… No Real, eu sentia mais a sua presença do que em Manchester, então um pouco mais de pressão. De um certo ponto de vista, foi uma rivalidade saudável”.

Jogos importantes

“Vou te dizer, se dependesse de mim, eu só jogaria alguns jogos importantes. Aqueles com a seleção portuguesa e a Champions League. São esses tipos de jogos que emergem, aqueles com algo em jogo, em um ambiente difícil, com pressão”, contou o jogador.

Apesar disso, Cristiano disse que quando entra em campo, sempre dá 100%, independente do tamanho do jogo. “Você tem que ser profissional e jogar bem todos os dias, para honrar a sua família e o clube que você representa, aqueles que te pagam. Para o resto, eu não dou muita importância para as reações que eu recebo do público”, disse o jogador.

“Meu objetivo é continuar jovem ao envelhecer. Muito competitivo. Me dê um jogador que tenha um desempenho tão bom quanto o meu na minha idade, em um time como a Juventus”.

A France Football alimenta as especulações com a entrevista com Cristiano Ronaldo. A revista é responsável pelo prêmio Bola de Ouro, que será entregue no dia 2 de dezembro. Ainda não se sabe quem será o vencedor, mas Cristiano Ronaldo está entre os indicados e, mesmo que Lionel Messi tenha feito uma temporada 2018/19 melhor que o português, ele é cotado para vencer.