A brigada Henry Reeves, formada por médicos cubanos, que foi à Itália, no auge da pandemia, ajudar com o tratamento à COVID-19, recebeu um presente especial, nesta quarta-feira. O craque da Juventus, Cristiano Ronaldo, enviou uma camisa autografada a cada um dos membros, às vésperas de eles voltarem para casa.

O contingente de médicos cubanos chegou ao país em 23 de março, duas semanas depois do Campeonato Italiano ser suspenso, por exemplo, época em que a Itália era um dos epicentros da crise sanitária. Segundo a Universidade John Hopkins, teve 243.56 casos confirmados e 34.997 mortes.

Os médicos começaram seu trabalho em um hospital de Crema, e depois se estenderam por outras regiões da Lombardia e de Piemonte. A atuação da brigada Henry Reeves em diversos países durante a pandemia a posicionou como candidata a Prêmio Nobel da Paz.

Cristiano Ronaldo, segundo a ANSA, assinou as camisas e acrescentou a mensagem “SIM! Aos médicos cubanos”, e pediu desculpas por não poder entregá-las pessoalmente devido às restrições de segurança que têm mantido a pandemia relativamente sob controle na Itália.

.