Celtic e Rangers protagonizam uma das rivalidades mais ferrenhas do planeta. A história do clássico é repleta de episódios lamentáveis, com sectarismo e violência. Entretanto, a maioria deles parecia parte do passado. Até o absurdo registrado neste final de semana, durante a semifinal da Copa da Liga Escocesa. No caminho ao Hampden Park, um imbecil travestido de torcedor do Celtic arremessou uma garrafa em direção à multidão. O vidro acertou um menino de 11 anos, que chegava ao local com sua família. Ele teve a cabeça cortada e precisou levar sete pontos. Agressão que gerou revolta em Glasgow.

VEJA TAMBÉM: Nada melhor que decidir um clássico nos minutos finais com um golaço, certo Dembélé?

“Enquanto a maioria dos genuínos fãs do futebol se comportou bem, de uma multidão de 50,7 mil pessoas, aconteceram 18 detenções por desordens públicas pequenas, incluindo embriagados. Entretanto, o incidente envolvendo o ataque a um menino de 11 anos, que estava andando para o jogo, é completamente inaceitável e compreensivelmente chocou a comunidade de Glasgow”, declaro Brian McInulty, chefe da polícia local.

“Vamos deixar claro: isso foi um ataque a uma criança que pode possivelmente ficar com uma cicatriz. Isso é abominável e a pessoa responsável precisa ser presa. Um jogo de futebol não é desculpa para a violência, nunca. Meus detetives estão realizando as investigações e gostaria de reiterar os apelos por informação. Qualquer torcedor genuíno não tomaria parte nessa violência estúpida, particularmente jogando uma garrafa em uma multidão, com a intenção deliberada de machucar alguém, incluindo uma criança. Esse tipo de comportamento não será tolerado. Eu gostaria de agradecer a maioria dos 50,7 mil torcedores que se comportaram bem e aproveitaram o jogo”, complementou.

Dos 18 presos até o momento, um esteve envolvido em atos sectários, enquanto os demais foram por brigas menores. Como ressaltou o policial, a imbecilidade de um não pode ser generalizada à torcida do Celtic. Mas quem cometeu a agressão precisa ser responsabilizado pelos atos. Criminalmente, sobretudo.