O Corinthians tomou sustos do Guaraní, mas, no geral, dominou o jogo de ida da segunda fase da Libertadores e criou chances suficientes para pelo menos empatar fora de casa, mas não conseguiu concretizá-las, e o gol de Jorge Morel, logo no começo do primeiro tempo, foi o único desta noite no Paraguai e coloca o time paulista com muito o que fazer semana que vem em Itaquera, após a derrota por 1 a 0.

O Corinthians teve a primeira chance da partida, quando Janderson cabeceou um corte errado de Báez meio no susto e mandou por cima do gol. O Guaraní, porém, respondeu com uma bola na trave. Redes recebeu pela direita e bateu colocado com a canhota. Havia muitos jogadores na frente de Cássio que, quando conseguiu fez contato visual com a bola, foi apenas para vê-la bater em seu poste esquerdo.

Dois minutos depois, os paraguaios cobraram uma falta curta para Iván Ramírez, que cruzou fechado com a perna esquerda. Morel apareceu nas costas da defesa para desviar com a canhota e abrir o placar.

Passadas as ações iniciais, o primeiro tempo seguiu quase na mesma dinâmica até o fim: o Corinthians tinha a bola, tentava criar e, com raras exceções, não conseguia. Luan aparecia pelo meio, tentando aproveitar os espaços entre as linhas, mas errava muito, e Sidcley, pela lateral esquerda, errava ainda mais.

Pelo menos, conseguiu acionar Janderson dentro da área, aos 20 minutos, mas o atacante pegou fraco na bola e facilitou a defesa de Servio. Aos 33, Luan chutou travado da entrada da área e ganhou o escanteio. Gil subiu para cabecear no canto, mas mandou para fora. No minuto seguinte, o novo reforço corintiano tentou novamente de média distância e mandou bem para fora.

O Guaraní chegava pouco, mas, quando chegava, tentava aproveitar ao máximo. Como aos 35 minutos, quando Ramírez recebeu o passe pela direita e cruzou de primeira. Benítez apareceu na primeira trave e cabeceou com perigo.

O Corinthians não fez um grande primeiro tempo, mas o terminou muito próximo do empate, com duas bolas por trás da defesa. A primeira foi desviada e sobrou para Boselli, que recebeu, ficou de frente e bateu cruzado. Acertou a trave. Aos 44, Cantillo deu um lindo passe para Everaldo. Sozinho, o corintiano girou batendo de primeira, mas mandou exatamente onde estava o goleiro Servio.

Os sustos que o Guaraní ainda conseguiu causar ao Corinthians no primeiro tempo desapareceram no segundo, sob total controle dos visitantes. Aos nove minutos, Cnatillo pegou a sobra de um escanteio e bateu muito forte, mas também em cima de Servio. Janderson, pouco depois, arriscou de longe e mandou mais longe ainda.

As preces da torcida corintiana foram atendidas, aos 13 minutos da etapa final, quando Tiago Nunes trocou Sidcley por Lucas Piton e colocou Mateus Vital na vaga de Everaldo, outro apagado até então. O Corinthians ganhou mais força pelo lado esquerdo. Fernando Fernández deu uma rara estocada do Guaraní ao girar em cima de Gil e bater da entrada da área, perto da trave de Cássio.

Após uma cobrança de escanteio, aos 32, Vital pegou de primeira e carimbou a defesa. Piton, com o rebote, emendou de perna esquerda com muita força e muito perigo. Pouco depois, a terceira chance claríssima do Corinthians foi desperdiçada por Madson, que havia entrado no lugar de Janderson. Ele surgiu livre pela direita e bateu rasteiro. Servio defendeu com as pernas.

Quase por acaso o Corinthians conseguiu o empate quando Piton cruzou da esquerda e o desvio de Romana quase enganou Servio, que se recuperou a tempo de espalmar para escanteio. E quase o Guaraní ampliou sua vantagem em um contra-ataque dois contra um que Maná desperdiçou ao errar o passe de volta para Bobadilla.

O Corinthians teve 72% de posse de bola, trocou quase três vezes mais passes – e também errou vários – do que o Guaraní e criou pelo menos três chances muito claras para empatar, embora não tenha feito de verdade uma grande partida. A derrota por 1 a 0 está longe de ser desastrosa, mas é perigosa. Os paraguaios mostraram que se defendem com qualidade e de vez em quando podem levar perigo no contra-golpe. E se fizerem um gol em Itaquera, a missão corintiana fica ainda mais difícil.

.

.