Os elefantes brancos originais, o que criou a lenda, a expressão usada no ocidente, vieram do Sudeste Asiático. Mas quem for à África do Sul ver a Copa Africana de Nações, perceberá que já há uma espécie africana. É só olhar o que aconteceu com os estádios utilizados na Copa do Mundo de 2010. Apenas metade será aproveitada no torneio continental de 2013. E desses, apenas o Soccer City é sustentado no dia a dia por atividades ligadas ao futebol.

O estádio que recebeu a abertura e a final do Mundial de 2010 receberá três partidas da CAN. No dia a dia, é casa do Kaizer Chiefs, um dos dois grandes clubes sul-africanos, e da seleção do país. Além disso, recebeu alguns jogos importantes de rúgbi e shows. Ainda é um estádio superdimensionado para os padrões locais, mas é o suficiente para que se pense antes de dar a ele o rótulo de “elefante branco”.

No entanto, os outros estádios… Dos cinco outros estádios da CAN, três vivem do rúgbi – esporte de menor popularidade que o futebol no país, mas com presença de público muito maior nos estádios, e com equipes fortes em várias cidades diferentes – e um do críquete – outro esporte muito forte na África do Sul. Das cinco arenas da Copa que ficaram de fora da CAN, quatro também vivem basicamente do rúgbi. E o Green Point está virtualmente abandonado.

O estádio da Cidade do Cabo virou o maior exemplo da invasão de elefantes brancos no sul do continente africano. Foi a instalação esportiva mais cara construída para o Mundial, e a ideia era sustentá-la com os Stormers (time de rúgbi) e o Ajax Cape Town. No entanto, o primeiro preferiu seguir em seu estádio (Newslands) de 51.900 lugares e o segundo não tem torcida para bancar toda a estrutura. Nem a realização de alguns shows e jogos da seleção sul-africana de futebol foram suficientes, e a degradação já é visível no Green Point.

Como resultado, a arena mais cara da Copa de 2010 não terá condições de receber a Copa Africana, deixando a segunda maior cidade da África do Sul sem o evento. E tornando ainda mais difícil justificar os US$ 600 milhões gastos nele.

BLOEMFONTEIN

Estádio Vodacom Park (Free State)

Capacidade: 40.911
Custo*: US$ 33 milhões (reforma)
Copa 2010: 6 jogos (Japão 1×0 Camarões, Grécia 2×1 Nigéria, Eslováquia 0x2 Paraguai, África do Sul 2×1 França, Suíça 0x0 Honduras e Alemanha 4×1 Inglaterra)
CAN 2013: não será utilizado
Usuário atual: o Central Cheetahs, que disputa o Super Rugby (torneio que reúne franquias de África do Sul, Austrália e Nova Zelândia). No futebol, o Bloemfontein Celtic realiza jogos mais importantes no Free State.

CIDADE DO CABO

Estádio Cape Town (Green Point)

Capacidade: 55.000
Custo*: US$ 600 milhões (reconstrução)
Copa 2010: 8 jogos (Uruguai 0x0 França, Itália 1×1 Paraguai, Inglaterra 0x0 Argélia, Portugal 7×0 Coreia do Norte, Camarões 1×2 Holanda, Espanha 1×0 Portugal, Argentina 0x4 Alemanha e Uruguai 2×3 Holanda)
CAN 2013: não será utilizado
Usuário atual: Ajax Cape Town e alguns shows. A falta de usuários que sustentem um estádio desse porte fez que a manutenção fosse largada. Em 2012, foi utilizado na gravação de algumas cenas do filme “Protegendo o Inimigo” (Safe House)

Estádio Green Point, na Cidade do Cabo

DURBAN

Estádio Moses Mabhida

Capacidade: 54.000
Custo*: US$ 450 milhões (construção)
Copa 2010: 7 jogos (Alemanha 4×0 Austrália, Espanha 0x1 Suíça, Holanda 1×0 Japão, Nigéria 2×2 Coreia do Sul, Brasil 0x0 Portugal, Holanda 2×1 Eslováquia e Alemanha 0x1 Espanha)
CAN 2013: 6 jogos (África do Sul x Angola, Cabo Verde x Marrocos, África do Sul x Marrocos), Rep. Dem. Congo x Máli, uma quarta de final e uma semifinal)
Usuário atual: o AmaZulu, pequeno clube da Premier Soccer League, manda seus jogos no estádio. Assim, os maiores públicos do Moses Mabhida são dos jogos da seleção sul-africana de críquete

JOANESBURGO

Ellis Park

Capacidade: 62.567
Custo*: US$ 63 milhões (reforma)
Copa 2010: 7 jogos (Argentina 1×0 Nigéria, Brasil 2×1 Coreia do Norte, Eslovênia 2×2 Estados Unidos, Espanha 2×0 Honduras, Eslováquia 3×2 Itália, Brasil 3×0 Chile e Paraguai 0x1 Espanha)
CAN 2013: não será utilizado
Usuário atual: recebe alguns clássicos entre Kaizer Chiefs e Orlando Pirates, o principal do futebol sul-africano. Mas seu principal uso é no rúgbi. O Ellis Park é a casa da seleção sul-africana e do Lions, time da cidade no Super Rugby

Estádio First National Bank (Soccer City)

Capacidade: 94.736
Custo*: US$ 440 milhões (reconstrução)
Copa 2010: 8 jogos (África do Sul 1×1 México, Holanda 2×0 Dinamarca, Argentina 4×1 Coreia do Sul, Brasil 3×1 Costa do Marfim, Gana 0x1 Alemanha, Argentina 3×1 México, Uruguai 1(4)x1(2) Gana e Espanha 1×0 Holanda)
CAN 2013: 3 jogos (África do Sul x Cabo Verde, Angola x Marrocos e a final)
Usuário atual: Kaizer Chiefs e seleção sul-africana de futebol. Alguns jogos importantes de rúgbi, a Charity Cup (torneio amistoso de pré-temporada), alguns clássicos entre Chiefs e Pirates e os principais shows em Joanesburgo também vão para o Soccer City

NELSPRUIT

Estádio Mbombela

Capacidade: 40.292
Custo*: US$ 145 milhões (construção)
Copa 2010: 4 jogos (Honduras 0x1 Chile, Itália 1×1 Nova Zelândia, Austrália 2×1 Sérvia e Coreia do Norte 0x3 Costa do Marfim)
CAN 2013: 7 jogos (Zâmbia x Etiópia, Nigéria x Burkina Faso, Zâmbia x Nigéria, Burkina Faso x Etiópia, Costa do Marfim x Argélia, uma quarta de final e uma semifinal)
Usuário atual: o Bidvest Wits manda seus jogos mais importantes no Mbombela, mas o principal usuário é o Pumas, que disputa o Campeonato Sul-Africano de Rúgbi

Estádio Mbombela, em Nelspruit

POLOKWANE

Estádio Peter Mokaba

Capacidade: 41.733
Custo*: US$ 150 milhões (construção)
Copa 2010: 4 jogos (Argélia 0x1 Eslovênia, França 0x2 México, Grécia 0x2 Argentina e Paraguai 0x0 Nova Zelândia)
CAN 2013: não será utilizado
Usuário atual: Black Leopards, pequeno time da Premier Soccer League

PORTO ELIZABETH

Estádio Nelson Mandela Bay

Capacidade: 48.000
Custo*: US$ 270 milhões (construção)
Copa 2010: 8 jogos (Coreia do Sul 2×0 Grécia, Costa do Marfim 0x0 Portugal, Alemanha 0x1 Sérvia, Chile 1×0 Suíça, Eslovênia 0x1 Inglaterra, Uruguai 2×1 Coreia do Sul, Holanda 2×1 Brasil e Uruguai 2×3 Alemanha)
CAN 2013: 8 jogos (Gana x Rep. Dem. Congo, Máli x Níger, Gana x Máli, Níger x Rep. Dem. Congo, Cabo Verde x Angola, Níger x Gana, uma quarta de final e disputa do 3º lugar)
Usuário atual: recebeu amistosos ou jogos esporádicos de futebol e da seleção sul-africana de rúgbi, mas seu usuário permanente é o Eastern Province Kings, time do Campeonato Sul-Africano de rúgbi. O Nelson Mandela Bay também sedia a etapa da África do Sul do circuito de rúgbi sevens

PRETÓRIA

Estádio Loftus Versfeld

Capacidade: 51.762
Custo*: US$ 12 milhões (reforma)
Copa 2010: 6 jogos (Sérvia 0x1 Gana, África do Sul 0x3 Uruguai, Camarões 1×2 Dinamarca, Estados Unidos 1×0 Argélia, Chile 1×2 Espanha e Paraguai 0(5)x0(3) Japão
CAN 2013: não será utilizado
Usuário atual: Bulls, representante de Pretória no Super Rugby. Alguns jogos importantes do Mamelodi Sundowns também podem ir ao Loftus Versfeld

RUSTEMBURGO

Estádio Royal Bafokeng

Capacidade: 42.000
Custo*: US$ 48 milhões (reforma)
Copa 2010: 6 jogos (Inglaterra 1×1 Estados Unidos, Nova Zelândia 1×1 Eslováquia, Gana 1×1 Austrália, México 0x1 Uruguai, Dinamarca 1×3 Japão e Estados Unidos 1×2 Gana)
CAN 2013: 6 jogos (Costa do Marfim x Togo, Tunísia x Argélia, Costa do Marfim x Tunísia, Argélia x Togo, Argélia x Costa do Marfim e uma quarta de final)
Usuário atual: Platinum Stars, da PSL, e Leopards, time de rúgbi, dividem o estádio

* Custo referente apenas às intervenções realizadas para a Copa do Mundo de 2010.

 

VOLTAR À PÁGINA PRINCIPAL DO GUIA DA COPA AFRICANA 2013