Sem tanta repercussão quanto ao anúncio da convocação, a Seleção confirmou dois novos nomes em seu elenco para a próxima Data Fifa. O goleiro Santos substitui o lesionado Ederson e ganha novamente espaço na equipe nacional, se tornando o único jogador do futebol brasileiro incluído para os próximos amistosos. Já no ataque, a nova opção é Wesley Moraes. O centroavante ganha sua primeira oportunidade, ao ficar com a vaga do lesionado David Neres. E será um nome interessante a se observar.

É bom frisar que Wesley possui características bem diferentes em relação a Neres. Está longe de ser um ponta arisco e driblador, como o jogador do Ajax. Pelo contrário, o novato é centroavante do Aston Villa. E atende um anseio de muitos na Seleção: joga como um legítimo homem de área, com muita força física, mas também mobilidade. Difere-se até mesmo dos outros homens geralmente usados na faixa central do ataque, em especial Roberto Firmino. Apenas por isso, o teste já seria válido.

Além do mais, o momento também referenda Wesley. O rapaz de 22 anos vinha anotando muitos gols com a camisa do Club Brugge, na Bélgica. Por isso, se tornou a contratação mais cara da história do Aston Villa, por €25 milhões. E, ainda que o clube lute contra o rebaixamento após retornar à Premier League, o início é positivo. O camisa 9 contribuiu com quatro gols e uma assistência nas 11 primeiras rodadas. Duas das três vitórias dos Villans no campeonato entram em sua conta. Apesar da derrota, também complicou a vida do Arsenal.

O estilo de jogo de Wesley o favorece no Villa. É um homem de referência que briga muito por abrir espaços no ataque e sabe usar o seu corpo. Com 1,91 m, possui capacidade nas bolas altas e também potência para puxar os contra-ataques. Garante algo distinto do que geralmente se vê na equipe de Tite. E pode ser útil para quebrar o padrão, embora o treinador venha oferecendo poucos minutos de jogo aos seus novatos. Se outras opções no futebol brasileiro aparecem à frente, como Gabigol ou Bruno Henrique, ainda é justo observá-lo, especialmente diante da brecha que existe nesta Data Fifa, restrita aos atletas no exterior.

A convocação, por outro lado, serve de imenso prêmio à história de vida de Wesley. Nascido em Juiz de Fora, ele chegou a fazer testes no Cruzeiro e no Atlético Mineiro, sem ficar. Pai de dois filhos logo na adolescência, para sustentá-los trabalhou em uma fábrica de parafusos quando tinha 16 anos. Sua carreira só deslanchou ao tentar a sorte no Itabuna, na Bahia. Por lá se profissionalizou, antes de passar por testes no Nancy e no Atlético de Madrid. Sua porta de entrada na Europa foi a Eslováquia, defendendo o Trencin, até ser descoberto pelo Club Brugge. De lá, seguiu ao Aston Villa e agora ganha sua primeira convocação.

Vale lembrar que Wesley ainda terá a companhia de Douglas Luiz, seu colega no Aston Villa. O volante, além de começar bem a temporada na Premier League, também vinha se destacando na seleção olímpica. O centroavante, em contrapartida, não possui idade para jogar em Tóquio. O Brasil entra em campo no próximo dia 15, contra a Argentina, para o Superclássico das Américas na Arábia Saudita. Quatro dias depois, encara a Coreia do Sul em Abu Dhabi.