As especulações sobre a saída de Antonio Conte já tinham acontecido antes da Copa do Mundo, mas o anúncio súbito do acordo com a Juventus para que ele não seja mais o técnico do clube não deixa de ser uma surpresa. Veio Allegri e o time deve passar por mudanças, não só no modo de jogar, mas também com a entrada e saída de alguns jogadores, como tem sido especulado.

LEIA TAMBÉM: Escolha de técnico é teste para a autoridade de Marin e Del Nero

Dois dos principais nomes do time no meio-campo podem deixar a equipe e esse é um dos pontos que mais se discute que haveria divergência entre Conte e a diretoria do clube de Turim. Paul Pogba, eleito melhor jogador jovem da Copa do Mundo, e Arturo Vidal, estrela do time nas últimas duas temporadas, são desejados por outros clubes. Os dois podem render muito dinheiro ao clube, o que daria força para a contratação de outros jogadores. Mas Conte não queria perder nenhum dos dois, por considerar que ambos são cruciais para o time.

As divergências de Conte com a diretoria vão além disso. Há uma discussão sobre as opções táticas do treinador, muito restrito ao sistema com três zagueiros. Em alguns momentos da temporada, o time pareceu não funcionar e não ter um plano B para isso. O fracasso na Liga dos Campeões, especialmente, deixou um gosto muito amargo para os torcedores, que sentiam que o clube podia avançar mais do que o ano anterior, quando o time foi até as quartas de final.

A contratação de Massimiliano Allegri, o último técnico campeão italiano antes de Conte, não é exatamente uma surpresa, mas causa estranheza. Não só por seu último trabalho ter sido o Milan, mas por ele ter saído demitido, sem conseguir montar um time que fosse competitivo, ainda que não só por culpa dele.

Seu trabalho no Milan, de modo geral, foi bom. Conquistou o título em sua primeira temporada no clube vindo do Cagliari, em 2010/11, em um time que tinha Ibrahimovic como estrela. Na Liga dos Campeões, caiu nas oitavas de final para o Tottenham. No ano seguinte, foi vice-campeão nacional e parou nas quartas de final da Liga dos Campeões para o Barcelona. Em 2012/13, ficou em terceiro no Italiano e parou novamente no Barcelona na Liga dos Campeões, desta vez nas oitavas de final. Em 2013/14, com o time enfraquecido novamente, não conseguiu fazer um bom trabalho e acabou demitido no meio da temporada.

No saldo geral, Allegri conseguiu extrair bons resultados do Milan. Muito se atribuiu o relativo sucesso da equipe na Liga dos Campeões ao peso da camisa, o que é só parcialmente verdade. É preciso ter alguma organização e o Milan conseguiu fazer jogos grandes com adversários fortes, como foi com o Barcelona. Em 2012/13, chegou a se imaginar que o Milan eliminaria os catalães depois de vencer por 2 a 0 em casa, mas acabou eliminado por uma goleada no Camp Nou, diante de uma atuação magistral de Messi e companhia. O Milan, mesmo com recursos inferiores à Juventus, conseguiu mais na competição continental.

“Eu entendo o ceticismo dos torcedores, porque em praticamente um dia o técnico mudou na Juventus”, afirmou Allegri. “Como ganhá-los? Com resultados, trabalho, respeito e profissionalismo. Então, os torcedores irão ter uma razão para me reconhecer”, continuou o técnico.

“Eu entendo a importância de treinar a Juventus, eu o fiz por quatro anos no Milan. Eu acho que eu estou pronto e sou capaz de continuar os resultados que a Juventus conseguiu nos últimos três anos”, analisou ainda o treinador. “Talvez eu posso até melhorá-los”.

“Em relação aos torcedores, eu repito, é normal que no momento haja uma reação pela mudança de técnico. Ainda mais porque Antonio Conte representou não apenas um técnico nos últimos três anos. Ele representa muito na Juventus, tanto como jogador quanto técnico”, disse. “Até onde o time vai, eles dominaram a Itália esse ano e fizeram algo extraordinário. Obviamente nós precisaremos melhorar na Liga dos Campeões. O clube tem uma estratégia para a janela [de transferências] e está procurando fortalecer o elenco para torná-lo ainda mais competitivo na Itália e na Europa”, disse Allegri na entrevista coletiva da sua apresentação.

Tudo isso conta a favor de Allegri, mas na Juventus a cobrança começará cedo. Primeiro, porque o time foi muito superior aos rivais no Campeonato Italiano nas três últimas temporadas e a torcida não aceitará uma mudança de patamar nesse sentido. Segundo, porque o seu desempenho na Liga dos Campeões terá que ser bom, ao menos chegando às quartas de final.

O que se pode esperar é que a Juventus tenha, afinal, a variação tática do esquema de três zagueiros. Allegri costuma trabalhar com uma defesa com linha de quatro e essa deve ser ao menos uma opção tentada. Com Pirlo no time, Allegri pode até tentar uma formação com losango no meio-campo, como já jogou no Milan, com Pirlo sendo o jogador mais recuado. Mas será preciso ver como ele trabalha nos treinos com as peças que tem. Há opções que o elenco do time preto e branco tem e caberá ao técnico saber qual o melhor jeito de aproveitar esses jogadores. A troca de treinador deve mexer com a Juventus, mas talvez isso seja bom para o time.

VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM:

– Não foi um apagão de 6 minutos. Foi um apagão de 25 anos

– [Legado] A Copa mostrou: não precisa ter (tanto) medo, amigo

– [Legado] Ir ao jogo não precisa ser um sacrifício